aceite as pessoas como são Posts

Pessoas intratáveis

Pessoas intratáveis

É muito fácil lidar com pessoas boas, afáveis e amigáveis.

O difícil é lidar com pessoas intratáveis, e quero falar um pouco sobre isso.

Primeiro de tudo, é sua escolha de como você será afetado na interação com tais pessoas.

Preste atenção no seu comportamento e na sua reação. Veja o quanto você está amplificando as coisas.

Faça um desligamento adequado quando estiver tratando com pessoas que julgar intratáveis.

Uma perspectiva particular

Uma perspectiva particular

Cada pessoa enxerga a realidade de uma perspectiva particular, e você não deve esperar ou exigir que outros vejam as coisas como você vê. Tampouco espere que as pessoas gostem das coisas como você.

Cada um enxerga e valoriza as coisas à sua maneira. Querer que todos sejam iguais a você é um expectativa completamente inadequada, e fonte de stress interminável.

A primeira experiência conflitante é em casa mesmo, com a esposa, marido, filhos. Temos essa mania ingrata de querer enquadrar todo mundo, e essa prática é exercitada todos os dias em casa.

Não se deixe contaminar pela confusão

Se afaste um pouco do calor das discussões e não se deixe levar por ofensas e mal entendidos.

Muito comum nos levarmos por discussões sem sentido, velhas mágoas trazidas à tona nos raros encontros familiares.

Os encontros, oportunidades raras para relembrar acontecimentos maravilhosos podem ser palco de desavenças e ressentimentos que já deveríamos ter deixado para trás há muito tempo.

Difícil enxergar o óbvio

Na obviedade podemos encontrar, escondidas, as grandes lições.

Recentemente assisti um filme que conta a história de Dogen o grande mestre budista do século XIII. No decorrer da história, compreendemos a dificuldade que qualquer um tem de enxergar o óbvio, que no filme é ilustrado em várias passagens, de diferentes maneiras.

Enxergar as estações do ano, as variações é algo óbvio, mas aceita-las como são, é uma lição escondida no óbvio. Não podemos mudar, ou inverter as estações, pois isso está fora do nosso alcance.

A nossa realidade é repleta de coisas que não podemos mudar.

O esforço mais grave e inútil que insistimos em empreender é o de querer mudar as outras pessoas.

Não aprove, aceite.

Aceite aquilo que não pode mudar, principalmente as outras pessoas. Temos o costume de julgar as pessoas, aprovar e desaprovar. Estamos constantemente passando todos pelo nosso crivo.

Na verdade, deveríamos nos empenhar em aceitar as pessoas como são, mesmo que não aprovemos o que são o que fazem. Aceitação é uma coisa e aprovação é outra.

Tentar fazer o papel de Deus, julgando e condenando os outros é uma arma que se volta para nós mesmos. E essa prepotência também se coloca a serviço para esmagar a nós mesmos. Nos culpados, nos condenamos e carregamos desnecessariamente a pecha de imperfeito, incompetente e incompleto.

Sei que é mais fácil aceitar quando aprovamos, vem com naturalidade, mas temos que exercitar a aceitação mesmo sem aprovação, ou ainda, sem julgamento.

As pessoas fazem coisas que não gosto.

Não há como evitar, algumas pessoas fazem coisas que não gosto.

Passo logo para o meu modo de julgamento, rotulando e criticando.

Sei que isso torna a minha vida ácida e o meu dia pesado, tenho que deixar ir.

Não devo aceitar maus tratos, provocações e agressões, mas a grande maioria dos incidentes desse tipo se enquadra em coisa ditas, comentários maldosos e atitudes sem importância que demos deixar passar.

Aceite as coisas que você não pode mudar.

Aceite as coisas que você não consegue mudar. Cabe aqui repetir a valiosa oração da serenidade: Deus, concedei-me a serenidade para aceitar as coisas que eu não posso modificar, coragem para modificar aquelas que eu posso e sabedoria para perceber a diferença.

Devo me concentrar em aceitar tudo aquilo que não tenho o controle, e nem responsabilidade, o que me libera do papel ultra pesado que assumi voluntariamente, consertador do mundo.

Não sou ajudante de Deus. Sou simplesmente um indivíduo procurando fazer o melhor, um dia de cada vez.