Com as duas mãos

Com as duas mãos

Venho de uma cultura japonesa onde damos e recebemos com as duas mãos. Me lembro, na minha tenra idade, minha mãe se recusando a me entregar alguma coisa até que eu estendesse ambas as mãos. Neste início de ano, tive uma experiência fantástica que me remeteu imediatamente à essa lição, à essa lembrança.

A minha vizinha:

Tenho uma vizinha querida, muito jovem, um aninho de idade, a pequena Joana.

Ela passa frequentemente na rua, conduzida, ora pela mãe, pai, avós, e babá. Mas nesse dia, eu passava em frente da casa dela, e lá estava ela, de pé, ao lado da babá.

Estendeu ambas as mãos e acenou. Um gesto incomum, de carinho imenso, de uma pessoa especial.

Comunicação:

A pequena Joana, como é comum nas crianças de sua idade, já aprendeu a se comunicar, a reconhecer faces conhecidas. Mas o especial nisso tudo é que ela aprendeu a se comunicar com respeito, e com empenho, dando tudo de si naquele gesto, naquele aceno.

A minha infância:

Me remeteu imediatamente ao ensinamento que recebi por toda vida. Dar com mãos generosas e receber com mãos agradecidas – ambas as mãos.

Das coisas mais fortes que marcaram a minha educação foi a questão das duas mãos, e aqueles que tiveram contato com a cultura japonesa na sua essência, sabe do que estou falando.

Receber com as duas mãos não é só uma questão de etiqueta, é um sinal de respeito, de gratidão.

Gratidão:

Aprendi a receber a vida com gratidão, receber com mãos agradecidas.

Quem é agradecido pelo que recebe está sempre pronto a receber mais.

Tradições:

Aprendi a valorizar e a preservar as tradições, não pelo simbolismo, e nem mesmo porque é parte da minha herança, mas sobretudo pelos ensinamentos do bem viver, da harmonia e da sabedoria.

E me sinto imensamente abençoado quando me dou conta das coisas boas que me foi permitido aprender. As lições da infância, me vem na memória, assim como o aroma do bolo recém assado e a imagem do melhor presente de Natal.

Rubens Sakay (Beco)

 

2 Comentários

Paulo

about 4 anos ago

Beco, foi um enorme prazer dividir com você momentos de reflexão por ocasião do aniversário da Joana, Que Joana nos traga a alegria da inocência e as recordações da nossa infância. Paulo Moura (vovô)

Responder

Paulo

about 4 anos ago

Beco, foi um enorme prazer dividir com você momentos de reflexão por ocasião do aniversário da Joana, Que Joana nos traga a alegria da inocência e as recordações da nossa infância. Paulo Moura (vovô)

Responder

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.