Uma relação inflexível com o mundo.

Aceitar o bom e não ficar obcecado pelo ideal.

Aceitar as falhas dos outros e principalmente as suas falhas.

Escape às suas regras rígidas.

Varie um pouco – fuja daquele padrão – dê um colorido diferente à sua vida.

Comenta o site Health-Happy que se reunirmos as 10% pessoas mais felizes do mundo, vamos encontrar as seguintes características:

-pessoas que tem atitudes flexíveis, são comprometidas com aquilo que fazem, mas não tem uma forma rígida de pensar e se adaptam mais às situações.

-elas estão dispostas a aceitar que algumas coisas fogem ao seu controle e não ficam querendo que essas coisas sejam diferentes. Isso não quer dizer que sejam fracas, ao contrário, são empreendedoras e realizadas.

Quando fazemos uma reflexão sobre o dia que passou e pensamos naquilo que nos provocaram estresse durante o dia, vamos identificar situações que foram causadas por crenças rígidas de como as coisas deveriam ser.

“podemos esbravejar, brandindo os punhos cerrados ao céu, demandando que as coisas sejam diferentes, ou aceitar que vivemos num mundo imperfeito e devemos na verdade, focalizar a nossa energia nas coisas que estão no nosso controle.

A matéria do blog cita os comentários do psicólogo e pioneiro no campo da Terapia Cognitiva, Albert Ellis, de que as pessoas, a despeito de se julgarem racionais, são naturalmente inclinadas a agir de forma irracional, conduzidas pela raiva, frustração e baixa auto-estima.

Mudar a maneira como pensamos, pode mudar a maneira como nos sentimos.

Podemos não ser capazes de mudar os outros, mas podemos mudar a nós mesmos, e assim nos proteger de ficarmos contrariados toda vez que enfrentamos um problema.

Não espere que os outros vivam os mesmos valores que você.

Não julgue os outros se baseando nos seus valores, expectativas e circunstâncias. Se você teve um dia bom, não quer dizer que o outro também tenha tido.

Você não pode controlar tudo nesse mundo. Pergunte-se sempre: o que posso controlar aqui?

Aceite o que você não pode controlar.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta