Uma perspectiva particular

Uma perspectiva particular

Cada pessoa enxerga a realidade de uma perspectiva particular, e você não deve esperar ou exigir que outros vejam as coisas como você vê. Tampouco espere que as pessoas gostem das coisas como você.

Cada um enxerga e valoriza as coisas à sua maneira. Querer que todos sejam iguais a você é um expectativa completamente inadequada, e fonte de stress interminável.

A primeira experiência conflitante é em casa mesmo, com a esposa, marido, filhos. Temos essa mania ingrata de querer enquadrar todo mundo, e essa prática é exercitada todos os dias em casa.

Queremos que todos passem pelo mesmo calibrador. Queremos todos tocando na mesma batuta, marchando no mesmo passo, pensando igual, querendo igual.

Empatia:

Temos que exercitar a empatia, a compreensão e a flexibilidade. Não faça com os outros, o que não gosta que façam contigo.

Como você se sente quando outros tentar te impor uma determinada maneira de pensar e agir?

Você gostaria que te empurrassem as coisas goela abaixo sem questionar o que você pensa e gosta?

Deixe que todos se expressem e considere fortemente as opiniões e preferências de outras pessoas.

A arrogância, a intolerância e a inflexibilidade afastam os amigos, e afastam as pessoas com as quais queremos conviver. Não somos convidados para as festas e reuniões, somos evitados, ignorados, quando não somos hostilizados e ofendidos em público.

Não queremos o isolamento e para isso temos que aceitar as pessoas como são, suas opiniões, decisões e escolhas.

Não somos onicientes, donos da verdade e guardiões do padrão régio de comportamento das pessoas.

Somos pessoas comuns e devemos aceitar os outros como indivíduos comuns, com vontade própria e que enxergam a sua realidade de maneira particular.

Dito isso, e feito isso, podemos conviver em harmonia com todos, ajudar e ser ajudado, amar e ser amado.

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta