Uma parte de nós deseja mudar.

A resistência às mudanças é algo que está dentro de nós.

Mesmo quando a mudança é para melhor, gostamos de resistir.

Mudar de casa, mudar de emprego, enfim, qualquer tipo de mudança encontra resistência simplesmente porque gostamos de manter as coisas como estão.

Mas dentro de nós, há também uma parte que deseja mudar.

Mudança:

Há algo em nós que experimenta o desconforto, a ansiedade e a insatisfação e clama por alguma mudança.

Essa parte de nós vai nos impulsionar para uma mudança.

Outra sensação que nos impulsiona para mudanças é o receio de que pode piorar.

É como estar numa zona de enchentes e perceber que a água está subindo e a chuva não mostra sinais de que vai parar.

Muitas vezes esse receio nos empurra para exames médicos, nos impulsiona para novos empregos, especialmente quando vemos as despesas familiares aumentando e as parcas oportunidades no emprego atual.

Assim, podemos entender como as pessoas mudam, mesmo com toda a resistência às mudanças.

Perspectivas animadoras no futuro tampouco nos impulsionam para mudanças. Perdemos oportunidades simplesmente porque resistimos a efetuar as mudanças que nos colocam em condições melhores.

Exercitar:

É preciso exercitar a contrariedade em deixar tudo como está.

É preciso enxergar que a mudança é uma constante na nossa vida, e ela acontece mesmo contra a nossa vontade.

Por esse motivo, enxergar as possibilidades e oportunidades de mudanças, e planejar para que isso aconteça com a nossa participação, é algo que devemos buscar.

Especialmente para as pessoas que são mais resistentes, o exercício e a prática são realmente necessárias.

Experimente mudar de restaurante de vez em quando.

Experimente um novo caminho para ir ao trabalho.

Faça algo novo no final de semana.

Visite outros amigos.

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta