Um modo gentil de cuidar de mim mesmo.

Nós todos temos uma tendência de ser duro consigo mesmo.

Especialmente quando erramos e falhamos em qualquer empreitada, a autocrítica tende a nos castigar.

Não só tenho que arcar com as consequências do meu erro e ainda tenho aquela voz interna com o dedo em riste para apontar cada detalhe do meu erro.

Isso tem um lado bom, eu sei. Devo aprender com os meus erros e procurar evita-los.

Mas a crítica exagerada me coloca para baixo, afeta a minha autoestima e me limita a enxergar o grande quadro, o caminho da aprendizagem.

Meus erros:

Quando era pequeno, o meu pai fazia esse papel, e me incomodava sobremaneira. Ele já nos deixou há muito, e eu assumi esse papel de apontar os meus próprios erros.

Tenho que ponderar sobre isso e ver o que estou ganhando com isso. Aproveitar o lado bom e a aprendizagem, acredito que seja mandatório, mas modular a crítica para que não me prejudique, deve estar também dentro das minhas preocupações.

Tenho que ser gentil e compreensivo e não me tratar com crítica excessiva o que acaba fatalmente me enchendo de culpa e ressentimentos contra mim mesmo.

Viver sem culpa:

Quero levar a vida sem a carga da culpa.

Quero me aceitar, e aceitar os meus erros como elementos fundamentais para o meu crescimento pessoal.

Não gosto quando me criticam severamente e não devo fazer isso comigo mesmo.

Ser gentil é um ato de amor, um ato compassivo, e isso vai pavimentar o meu caminho para a felicidade.

R.S. Beco

2 Comentários

Robert Jeferson

about 6 anos ago

Reblogged this on ARQUITETO DA FELICIDADEe comentado: Seja Feliz e viva sem tantas cobranças. Um excelente texto que compartilho com vocês

Responder

PAULO JAIR DE CAMPOS

about 5 anos ago

Estou sempre lendo, indicando seus artigos. obrigado. Paulo Campos.

Responder

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked