Um bom estoque de raiva.

A raiva pode se manifestar com agressão explícita, palavreado característico, cara feia e tudo aquilo que conseguimos identificar de pronto. Mas a raiva pode ficar estocada, escondida, e um pouco mais adiante ela vai mostrar os seus efeitos, especialmente no portador desse estoque.

-Você não perde por esperar – você vai ter o troco – não vou mover mais uma palha por você – estes e outros pensamentos alimentam o estoque de raiva.

A raiva estocada pode provocar o fim de um relacionamento conjugal, pode ocasionar a perda do emprego e danos enormes nos relacionamentos entre pais e filhos.

Se você se sente amargurado com tanto estoque de raiva, está na hora de revirar o estoque, e analisar a causa de cada um deles.

Raiva:

Um a um, dê fim na raiva, simplesmente desafiando a sua essência, a sua razão de existir.

Guardamos raiva e ressentimento por coisas que nem bem lembramos mais. É como uma roupa que compramos por impulso e fica ocupando espaço no nosso armário.

Dê fim no estoque de raiva antes que os efeitos na sua saúde se façam sentir. Isso pode se tornar uma bola de neve, um círculo vicioso. Quanto mais raiva eu estoco, mais infeliz me sinto.

Não alimente a raiva, ao contrário, focalize a pessoa que te feriu, rememore a ocasião, e jogue sobre ela a compreensão, a empatia, buscando explicações razoáveis para tal comportamento. Caso não encontre nenhuma explicação plausível, simplesmente deixe passar.

Agora que o tempo passou e o evento se distanciou um pouco, olhe a acontecimento com mais distanciamento e mais serenidade. Já faz tanto tempo, é mais que hora de se livrar desse ressentimento.

Eventos desagradáveis:

Você não precisa esquecer os eventos desagradáveis, apenas se livrar da raiva e dos ressentimentos.

Deixe a leveza e o perdão dominarem suas lembranças.

Ao dar mais insignificância às lembranças negativas, você vai potencializa o efeito das lembranças positivas.

Deixar ir a raiva, por si só, vai te fazer mais feliz.

Acredite, experimente e aproveite mais a vida.                                                                                R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta