Tire o pensamento vingativo da cabeça.

Na verdade você não vai se vingar. Está insuportavelmente contrariado, e fica pensando mil maneiras de se vingar, fazer alguma maldade para a outra pessoa.

Toda vez que você se lembra, o pensamento retoma do ponto anterior, num rosário interminável de rancor e ressentimento.

Funciona como uma coroa de espinhos que você confeccionou para colocar na sua própria cabeça, e que você tira, guarda no armário, mas quando se lembra a coloca na cabeça, numa atitude masoquista, causando dor a si próprio.

Abandone a coroa de espinhos.

Privilegie os mecanismos da felicidade e não os do sofrimento.

Pense mais em aliviar a sua própria dor e menos em infligir dor aos outros.

É natural que o sentimento negativo nos impacte quando alguém nos faz algum mal.

Quando isso acontece, como diz Thich Nhat Hanh, devemos observar esse sentimento negativo, aceitá-lo como parte de nós mesmos e permitir que ele suba a escada do sótão da nossa mente e por lá fique, sem nos perturbar a todo o momento.

Aceite o seu ferimento, mas não jogue sal na sua ferida.

Deixe que ela cicatrize.

Beco

1 Comentário

Joelson Vellozo Jr.

about 8 anos ago

Muito precisa e útil a observação sobre observar o sentimento negativo. Consciência e atenção são requisitos vitais para tratar com naturalidade a manifestação da dor e raiva em nós, não é verdade? Incrível notar como o homem, em geral, em plano Século XXI, ainda ignora o fato de que precisamos ter um relacionamento responsável e receptivo à dor, ao sofrimento, ao choro, à melancolia. Eles existem, sempre existirão. E é melhor que nos permitamos conviver com eles, tão "brilhantemente" quanto nosso convívio com o pólo oposto: a felicidade.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta