Tentando resolver os problemas que já foram resolvidos

Tentando resolver os problemas que já foram resolvidos

Os problemas tendem a ocupar a nossa mente mesmo quando já foram resolvidos.

Isso acontece por várias razões. Podemos não estar plenamente confiantes com a solução dada, a escolha feita ou o encaminhamento dado ao problema e com isso, mesmo depois de resolvermos o problema, ele fica retornando continuamente à nossa mente. Também, quando não aceitamos a solução dada, ficamos matutando em outra solução, mesmo que a solução seja irreversível, e isso se torna também uma ruminação sem fim.

Ocupar a mente com os problemas é a nossa vida, afinal, temos tantos problemas a resolver, e a nossa capacidade é colocada à prova constantemente.

Aceitação:

Mas temos que exercitar a aceitação e aprender a seguir adiante, mesmo quando convivemos com alguma insatisfação.

A aceitação da solução tem uma forte influência do perfeccionismo. Acreditamos sempre numa solução perfeita, que todos sabemos, não existe, e isso é o ônus do perfeccionismo.

As pessoas perfeccionistas ficam estressadas quando estão decidindo ou escolhendo alguma solução, e ficam decepcionados após a decisão e o encaminhamento do problema.

Muito disso tem a ver também com a prepotência. Temos que aceitar que não somos perfeitos e que a solução adotada é melhor possível.

Quando aceitamos, ficamos mais serenos e em paz consigo mesmo. Passamos a olhar os nossos passos com vistas a um futuro melhor, sem excessivas reflexões do que fizemos no passado, se acertamos ou erramos.

Evitar muitas comparações com os outros também nos afastada da insatisfação e da ruminação.

Cada um vive como pode, dando o melhor de si, e isso é o bastante.

Aprendemos novas lições em todas as nossas experiências, e uma solução meio certa hoje pode nos ensinar a adotar uma solução bastante razoável da próxima vez que formos confrontados com situação semelhante.

Seja feliz com os seus problemas e também com as soluções.

Vire a página e siga em frente.

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta