prepotência Posts

Coisas muito importantes

Coisas muito importantes

Coisas muito importantes podem estar sendo negligenciadas. Nos preocupamos com tantas miudezas, futilidades e coisas sem importância. Com isso, não nos sobra energia, ou capacidade mental e emocional para lidar com as coisas mais importantes na nossa vida.

Pare de julgar a todos como se fosse o juiz mundo

Pare de julgar a todos como se fosse o juiz mundo

Uma das cargas negativas mais pesadas que carregamos, tem a ver com o julgamento que fazemos constantemente das outras pessoas.

Não somos nós que ditamos as regras de comportamento das outras pessoas.

A maneira como cada um se veste, fala ou age é da conta de cada um.

Assim como não ditamos as regras, não podemos dar de uma de juiz, e dizer o que está certo e o que está errado.

Quando não temos mais ninguém para por a culpa

Quando não temos mais ninguém para por a culpa

Muita coisa acontece contrária às nossas expectativas. Fazemos tudo certo, mas é inevitável experimentar alguma decepção. Quando isso acontece, culpamos e nos culpamos, o que merece alguma reflexão.

Quando não encontramos ninguém para por a culpa é sinal de que nos livramos da prepotência.

Isso é um bom sinal, pois deixamos a amargura de conviver com a nossa culpa e a dos outros.

Não deixe a culpa tomar conta

Não deixe a culpa tomar conta

A culpa é um fardo pesado que temos que aprender a aliviar, e podemos fazer isso um pouco de cada vez, e de repente nos sentimos mais leves.

Aprendi que a culpa é sempre um sinal de prepotência.

Quando nos sentimos culpados é porque não conseguimos aceitar que nós, seres perfeitos que somos, poderíamos ter falhado dessa maneira.

Quando culpamos os outros, é porque no fundo pensamos que, se fossemos nós, perfeitos que somos, não teríamos errado – teríamos feito certo, ou perfeito.

Sai da escada da arrogância

Sai da escada da arrogância

Não se coloque acima daquele que te fala, pois essa arrogância vai te deixar surdo para a mensagem que você está recebendo.

A superioridade bloqueia qualquer comunicação, e, quando menos, distorce o seu conteúdo da mensagem, entendemos mal, interpretamos às avessas.

Não se coloque num patamar acima daquele que está falando, isso vai dificultar enormemente você ouvir e entender a mensagem.

Contar vantagens desperta pelo menos 2 sentimentos perversos

Contar vantagens desperta pelo menos 2 sentimentos perversos

Normalmente quando contamos vantagens é porque queremos olhar as pessoas com ar de superioridade.

Queremos nos colocar por cima, e fazemos uso de comentários vazios, arrogantes que provocam um mal-estar e realmente deixam os outros reduzidos. Prejudicam muito os relacionamentos e deixam um rastro de arrogância e prepotência.

É como se jogássemos ovos na própria vidraça, sujando a nossa própria imagem ao contar vantagens.

Quem conta vantagem é porque está se comparando constantemente com os outros, o que por si só já é um obstáculo à felicidade como tenho comentado em minhas postagens.

Parece um contrassenso, mas quando contamos vantagens, nos sentimos diminuídos. Que trabalho inútil – quanto mais contamos vantagem, no fundo, menor nos sentimos.

Não julgar

Não julgar

Evite sair julgando as pessoas de pronto, como se fosse o comandante do júri.

Aceite as pessoas, sem querer mudá-las. Evite julgar as situações, condenando imediatamente tudo que te cerca, como se o mundo estivesse perdido. Não confie nas notícias, pois as emissoras confiam na nossa propensão natural de se fixar no drama e na desgraça alheia.

Quando enveredamos pelo julgamento indiscriminado das pessoas, certamente nos fixamos naquilo que não gostamos e acreditamos serem defeitos. Com isso, perdemos a chance de apreciar as qualidades dos outros.