não espere gratidão Posts

Faça por você.

Ao ler a postagem de hoje de Gretchen Rubin, não pude resistir repetir seus comentários num assunto que eu mesmo já havia postado anteriormente.

Ela expõe o hábito ruim que temos de fazer muito pelos outros, esperando que gostem, que reconheçam e que agradeçam.

É muita expectativa.

Pode levar a muita frustração.

Pode parecer egoísta a recomendação, mas devemos cuidar de si próprio, fazer por si mesmo.

Ser honesto consigo mesmo, não tem nada de egoísmo.

Saiba o que quer e procure os seus próprios pedidos.

Um exemplo fantástico que Gretchen comenta, é sobre uma pessoa que contou que estava escrevendo um livro sobre seus ditados e pensamentos para sua pequena filha.

Ao fazer isso, ela estava criando uma expectativa, alimentada por muitos anos, até que o bebê cresça e possa decidir se vai ler o que foi escrito.

Essa expectativa pode se frustrar, na medida que a filha já adulta, não dê a mínima para o livro que foi escrito.

Mas por outro lado, se a mãe escrever o livro para si mesmo, o resultado é muito diferente.

O prazer de haver escrito, por si só já é uma realização.

Se ao final, a filha ler e apreciar, isso representa um bônus de realização.

Isso não quer dizer que devemos evitar pensar nos outros quando fazemos as coisas, mesmo porque algumas coisas são realmente dirigidas às outras pessoas – uma ajuda direta, um favor.

Qual a justificação que criamos quando fazemos alguma coisa?

Qual a história que contamos para nós mesmos?

Podemos estar incluindo os outros nessa história correndo o risco de nos frustrarmos.

Reflita sobre algumas coisas que você anda construindo para os outros.

Beco