fique bem consigo próprio Posts

A solitude e a solidão.

A solidão é desconfortável.

Se sentir sozinho, e não ter ninguém próximo para se conectar de maneira significativa.

A solidão traz um sentimento de vazio, de ausência de significado, mesmo quando a pessoa está no meio de pessoas, de amigos.

A diferença entre os dois conceitos, solitude e solidão é no estado mental, uma vez que podemos experimentar ambos numa mesma situação física de isolamento.

A solidão é a constatação de que você não está tendo o que precisa para se sentir bem, e não consegue expressar o que é isso que está faltando, e isso explica porque é possível sentir a solidão mesmo quando estamos acompanhados.

Aprender a lidar com a solidão é também um passo para apreciar a solitude.

Há muita coisa para se apreciar, mesmo estando só.

E mais, há coisa que podemos apreciar melhor quando estamos completamente sós, e a isso chamamos de solitude.

Para lidar com a solidão, precisamos aprender a gostar de si próprio e apreciar a própria companhia.

É importante se engajar em atos de generosidade, ajudar os outros.

É bom praticar alguma atividade física, ginástica, se manter em movimento.

Se juntar a grupos de interesse e apreciar as próprias redes de relacionamento, pois as pessoas que padecem com a solidão acham que os outros têm uma rede rica de relacionamento, enquanto a sua própria é pobre.

Esteja no momento presente, aproveite e aprecie o que está fazendo. Saia da estagnação, e faça alguma coisa.

Desenvolva o orgulho de ser quem é – levante a auto-estima, ajudada pelas recomendações acima.

Não devemos, no entanto sentir medo de ficar sozinhos, pois há um benefício muito grande nisso.

Especialmente no mundo moderno, correndo atrás da nossa agenda de compromissos e dando conta de tantas responsabilidades, precisamos vários momentos só para nós próprios.

Precisamos da paz e da tranqüilidade de estar só, sem se sentir só.

Sentir que tem a melhor companhia do mundo – você mesmo.

Saber que precisa de um pouco de isolamento para conversar consigo mesmo. 

Como diz Scott McIntyre, escrevendo para ao GoodlifeZen, a solitude é um ingrediente vital para se sentir bem consigo mesmo, te fornecendo o tempo suficiente para você se descobrir.

Seja senhor da sua agenda e do seu tempo, escolha um local adequado e fique consigo mesmo.

Você pode meditar, criar, desenvolver pensamentos profundos ou mesmo ficar em contato mais estreito com a natureza.

Eu aprecio a solitude, e gosto de conjugar a leitura, o contato com a natureza, meus cachorros, os pássaros, a brisa gelada do inverno e o ruído leve da vizinhança.

Beco

Em paz por inteiro.

Às vezes sonhamos em ter um pouco mais de paz no trabalho, ou imaginamos a mesma coisa em casa.

Eu aprendi que a paz deve vir na vida, por inteiro.

Quando buscamos a paz e a serenidade, devemos buscar em todos os aspectos da vida, em todos os momentos do cotidiano.

Somos atropelados por diversos flancos, perdemos a serenidade e não conseguimos perceber o que está atrapalhando mais.

É claro que podemos e devemos buscar as soluções onde os problemas ocorrem, mas a paz deve vir para ajudar em tudo.

A paz pode vir por inúmeros processos, e cada pessoa vai descobrir o que funciona melhor para si mesmo.

A paz espiritual é muito poderosa, e acreditar que não estamos sós, que não estamos abandonados, nos traz um alento nos momentos tristes e adversos.

E quando acreditamos que uma Força maior vai atuar quando todas as forças não dão conta, nos eleva para um nível mais alto da compreensão do mundo, da natureza, de nós mesmos.

Estar em paz com a imperfeição nos alivia do estresse de achar que tudo está errado, que tudo está faltando, que todos falharam e que o mundo está perdido. O perfeccionismo é uma batalha perdida, pois impulsiona as pessoas a sempre desejarem que as coisas sejam diferentes e isso não deixa qualquer espaço para apreciar plenamente as coisas, os momentos, os relacionamentos.

Trabalhar a aceitação, tendo sempre à mão a oração da serenidade é sempre uma empreitada com muito resultado.

A vida não é justa e ainda assim vale a pena ser vivida.

As injustiças onde o nosso julgamento aponta, não devem nos impedir de fazer a nossa parte e ser feliz a despeito disso tudo.

Quando somos os alvos da injustiça, corremos o risco de ficar imobilizados envoltos numa pena de si mesmo.

Quando acontece com os outros, podemos ficar também imobilizados num estado de comiseração e reclamação sem fim.

De novo a aceitação tem que ser trabalhada – mais oração da serenidade.

A pratica da meditação é também valiosa, e pode te colocar em harmonia – você consigo mesmo e você com tudo que te cerca.

Descubra você próprio um receituário que funcione para você.

Descubra as coisas que te livram do muro das lamentações, e que tenham o poder de transformar o melodrama do cotidiano.

Beco