Felicidade Posts

Perceba a confiança

Perceba a confiança

Perceba a confiança quando ela se estabelece. Se dê conta de que alguém ou mesmo a natureza está te confiando alguma coisa. É uma atitude que podemos exercitar e aprimorar, como aprendi com meu sobrinho Daniel.

Confiança

É uma das coisas mais importantes na vida de qualquer pessoa, ou mesmo de uma nação, de uma sociedade.

A confiança, ou o nível dela, mostra o estágio de desenvolvimento de uma instituição, de um relacionamento.

Meu sobrinho Daniel estava conversando com seu irmão Rafael sobre essa questão da confiança, e eu, que tomei isso como uma lição de ouro, passei a fazer esse exercício em todas as coisas do meu cotidiano.

Temos que exercitar, temos que aprimorar, e devo dizer que a esta prática tem sido uma coisa muito prazerosa e positiva para mim.

Natureza

Especialmente quando olho a expressão da natureza, das plantas e dos animais, reconheço como um voto de confiança em mim mesmo.

Quando vejo uma flor desabrochando, aceito isso como se a planta estivesse me confiando esta flor.

Tenho o mesmo tipo de pensamento quando vejo um fruto novo crescendo no meu quintal, quando noto um passarinho ensaiando um novo ninho perto da minha casa.

Vida nova

Quando vejo uma semente brotando, uma nova plantinha se estabelecendo, entendo imediatamente que a natureza está me confiando alguma coisa muito importante. Sei que tenho que cuidar. É uma vida nova que está me sendo confiada.

Um novo olhar

Depois que passei a fazer essa prática e a envolver minha esposa no mesmo exercício, sinto que o dia ganha mais brilho. Sinto que a vida adquire um novo colorido.

Me mudei recentemente para uma nova casa e esta semana notei um casal de joão de barro confabulando em torno de um ninho antigo no meu quintal. Acho que era um ninho que haviam abandonado mas estavam pensando em retornar.

Disse logo para minha esposa: “o joão de barro está confiando na gente”.

Me vem a vontade de parafrasear o poeta inglês nascido em 1770, William Wordsworth: “que as línguas maledicentes, o julgamento desmesurado e os pensamentos negativos não me privem de apreciar o que a natureza me presenteia e me confia neste exato momento”.

Gratidão

Quero sempre exercitar a gratidão em tudo que acontece na minha vida, e este exercício da confiança tem me ajudado a não me esquecer de agradecer.

Rubens Sakay

Copo quebrado

Copo quebrado

Deixe o copo quebrado ser apenas um copo quebrado. Não exagere nos pensamentos negativos. Dê espaço para o positivo entrar na sua vida. Todos nós temos uma tendência a se apegar às coisas negativas.

Aceite o copo quebrado

Aceite que coisas ruins aconteçam a ti, mas não deixe que os pensamentos negativos permaneçam indefinidamente na sua mente. Não transforme um pequeno transtorno num problema sem tamanho.

Examine o que te aconteceu e dê a devida importância. Trate-o pela dimensão real, sem exagerar, sem catastrofizar.

Não deixe que uma coisinha à toa te tire do sério ou estrague o seu dia que está apenas começando.

A vida é difícil para qualquer um e ninguém está livre de experimentar transtornos e tropeços, mas a vida é mais do que isso.

Tenha um perspectiva positiva sobre o futuro

Não fique imaginando que agora tudo vai ficar ruim, que o teto vai desabar.

Uma coisa ruim não leva necessariamente a uma corrente de coisas ruins.

Se você reconhece que algo ruim acaba de acontecer contigo, já está a meio caminho de se preparar e prevenir para que outras coisas ruins não se sucedam.

A mente humana é assim mesmo, se agarra feito velcro em maus pensamentos e deixa os bons pensamentos escorregarem feito teflon. Assim sou eu e assim é você.

Saboreie cada bom momento

Aproveite cada momento bom na sua vida.

Saboreie, e deixe o bem entrar em você.

Evite que o mal humor e o gosto ruim na boca contamine a sua vida. Deixe o bem dominar.

Quando fazemos uma cara feia diante de um obstáculo, criamos limitações para perceber as oportunidades.

Busque ser mais sereno, respire fundo.

Quando algo bom acontecer contigo, não deixe passar tão rapidamente. Deixe ele ficar contigo um pouco mais, não se apresse, simplesmente deixe o tempo rolar em câmera lenta e saboreie o momento.

Saboreie a vida.

Rubens Sakay

 

Sem motivos para ser feliz

Sem motivos para ser feliz

Se você acha que é uma pessoa sem motivos para ser feliz, aprenda como ser feliz sem motivo. Quero te que contar o que aprendi com a leitura do livro de Marci Shimoff, “Happy for no reason”, Feliz sem motivo. Diz a autora que a escala da felicidade, no seu entendimento é a seguinte:

Caminhão cheio de Mxxda

Caminhão cheio de Mxxda

Quem foi que encomendou esse Caminhão cheio de Mxxda? Acabo de ler o livro com este título esquisito, mas que traz ensinamentos fundamentais para uma vida melhor, mais serena, plena e feliz. É o livro de Ajahn Brahm “Who ordered this truckload of dung?”, que uso como referência para a mensagem de hoje.

Que fez isso?

Imagine que você chega em casa e vê um montão de excremento animal, uma verdadeira montanha mal cheirosa bem em frente à sua casa. E vem à sua mente a pergunta: quem foi que encomendou esse caminhão de mxxda?

É uma desgraça. Quem poderia ter feito isso?

Culpados:

E aí começa não só as conjecturas, mas uma lista de culpados, e você começa a examinar mentalmente cada possibilidade.

Depois de pensar na culpa dos outros, começa a pensar na própria culpa.

Será que fiz algo errado a alguém?

O que fiz para merecer isso?

Contaminação:

Sem bem saber que é o culpado e sem saber o que fazer com tudo isso, você começa a levar para dentro de casa, enfiar no bolso da calça, na mochila, levar para dentro do carro, leva para o trabalho, para a escola.

Rapidamente esse negócio começa a contaminar tudo na sua vida. Te olham torto no trabalho, fogem de você na escola, enfim, a vida como um todo vira um inferno.

Não acaba nunca:

Você não sabe como dar fim a essa desgraça e o inferno parece não ter fim, um dia pior que o outro.

Você perde o emprego, é expulso da escola e é definitivamente afastado dos amigos.

O modelo explanatório:

Assim com Ajahn Brahm explora no livro, o professor Martin Seligman já havia discorrido sobre o modelo explanatório, o modo como explicamos as desgraças que nos acontecem, e esse modo tem 3 características: responsabilidade, pervasividade, temporalidade.

Responsabilidade:

Enquanto gastamos o nosso tempo precioso e também a nossa energia, inquirindo sobre o responsável, podemos pegar um balde, uma pá e começar a levar esse caminhão de mxxda para o fundo do quintal e enterrá-lo. Um balde depois do outro, com tempo e energia, podemos dar fim na nossa desgraça.

Pervasividade:

Uma coisa que acontece em um campo da vida, uma coisa localizada, não deve ser levada para todas as áreas da nossa vida. Temos que pensar em uma maneira de isolar essa coisa. Manter a nossa vida sob controle. Nada de levar uma coisa ruim para estragar tudo que já está bom.

Temporalidade:

Por fim, a temporalidade. Tudo passa, e isso também vai passar.

Encare as coisas, sejam boas ou ruins, como passageiros.

Faça a sua parte, sem muito apego, e vai aproveitar plenamente as coisas boas e vai deixar que as coisas ruins vão embora.

Rubens Sakay

O poder do silêncio

O poder do silêncio

Temos que experimentar o poder do silêncio. Falamos demais, e diz o ditado popular que quem fala demais dá bom a dia a cavalos. Trago algumas dicas da tradição espiritual para colocarmos mais serenidade na nossa vida cotidiana.

Esteja em paz e fique bem

Esteja em paz e fique bem

Esteja em paz, e fique bem, encarando a realidade com coragem e determinação.

Qualquer que seja a situação, temos que fazer a nossa parte para tornar esse mundo melhor. Não podemos tudo e não podemos mudar o rumo de muitas coisas, mas cabe a nós assumir a responsabilidade pela nossa vida.

Não podemos deixar correr sem rumo. O rumo é esse, sem rancor, sem ressentimentos.

Dê prioridade aos amigos

Dê prioridade aos amigos

Valorize as amizades, os relacionamentos; dê prioridade aos amigos.

Este mês fomos todos surpreendidos com o lançamento do programa do governo britânico de Thereza May, estimulando e orientando o país todo a dedicar atenção aos relacionamentos. Dizem que May recomenda que os médicos prescrevam mais relacionamentos e nem tanto medicamentos.