desligamento emocional Posts

Se desligue com responsabilidade.

Depois que você fez tudo o que devia, deixe a coisa acontecer. Não fique matutando excessivamente se vai dar certo, se vai acontecer. Faça a sua parte e relaxe.

Não quer dizer em absoluto largar o corpo.

Aja com um desligamento responsável.

Depois de tudo feito, acredite que vai dar certo, deixe acontecer e enquanto isso, se dedique a alguma coisa agradável. Tome um sorvete, coma um chocolate, ouça uma música. Faça uma viagem. Visite um amigo. Leia um livro.

As coisas levam tempo para acontecer. Não é porque você quer que o mundo vai rodar mais rápido, e ainda que isso fosse possível, você não gostaria do resultado.

A vida está aí para ser desfrutada com vagar.

Ninguém quer uma vida ultra bem sucedida e corrida que se acaba aos 30 anos.

Se desligar não quer dizer não cuidar.

Se desligar não quer dizer largar e abandonar.

Se desligar não quer dizer indiferença.

Quando nos desligamos com responsabilidade, qualquer que seja a situação, continuamos acompanhando, continuamos interessados e assumimos a nossa carga de responsabilidade.

Esse aspecto é muito importante para que sejamos felizes com os outros e com as situações, aceitando o que não está ao nosso alcance, como nos ensina a oração da serenidade.

Especialmente na relação amorosa, aprendemos que amar não significa ter que provar o amor em todas as situações. O amor acontece e transparece pela nossa atitude, e devemos nos desligar um pouco – relaxar.

Às vezes queremos transformar o mundo e dar um jeito em tudo que julgamos errado.

Essa nossa atitude nos leva a nos metermos na vida dos outros, com o ímpeto de consertá-los, como se fossem um computador com vírus.

Não queira sair dando boot nas pessoas.

Não queira dar um reset nas pessoas.

Se desligue das situações com responsabilidade.

Se desligue das pessoas amorosamente.

Beco

Se desligue da crise.

Quando estamos numa crise, bem no olho do furacão, nos dá uma vontade de abandonar tudo, e se não for possível, se desligar por completo, se tornar uma pessoa insensível.

Não devemos perder a esperança de que as circunstâncias irão mudar.

Devemos orar e pedir para uma luz na nossa jornada, nos mostrando o melhor caminho.

Nunca devemos perder a crença em nós mesmos e na nossa capacidade de sair fortalecida da crise.

Por esses e outros tantos motivos, não devemos procurar a insensibilidade, podemos sim olhar a crise com um certo distanciamento emocional, com serenidade. Não devemos nos desligar da vida.

Você vai sair dessa.

Você é mais forte que imagina.

O mundo não é assim tão mal, nem as pessoas querem te prejudicar todo momento.

As relações podem ser restabelecidas, o equilíbrio financeiro pode ser conseguindo com um bom planejamento e empenho, e a saúde vai melhorar se você se dedicar seriamente.

Quando a crise é geral, e as pessoas que nos cercam também escondem o medo e a preocupação com a vida, por maior razão, devemos buscar o significado da vida, e a felicidade autêntica.

Devemos nos espelhar no exemplo de Viktor Frankl apresentado no seu livro – Em busca de sentido – onde ele relata a sua experiência nos campos de concentração.

Temos que buscar sentido além da crise, buscar a felicidade além das conjunturas do momento.

Cada evento da crise em que você está envolvida pode guardar uma chave para o seu crescimento pessoal – procure esse foco.

Olhar para a janela e perceber que o sol está nascendo é diferente de sentar-se na varanda e apreciar a beleza do sol nascendo.

A felicidade está, em grande parte, na maneira que encaramos os eventos da vida.

Devemos descontaminar a nossa visão dos efeitos do excessivo hedonismo, e buscar na meditação e na serenidade os insumos para um desligamento emocional da crise, sem no entanto, se desligar da própria vida.

Beco