cuide de si mesmo Posts

Não se menospreze e pare de se fazer de capacho dos outros

Não se menospreze e pare de se fazer de capacho dos outros

Goste de si mesmo, se valorize e não se faça de objeto dos outros.

Não seja masoquista.

Perceba quando está sendo feita de capacho, e procure evitar tais situações, sem rancor e sem ressentimentos.

Apenas se afaste das pessoas e das situações.

Pessoas intratáveis:

Já comentei no passado sobre: tratando pessoas intratáveis.

Não devemos tolerar agressões, e na iminência de acontecer, devemos tirar o time, dar uma trégua, ou fazer qualquer coisa, menos ficar para receber a agressão.

Algumas pessoas, têm dificuldade de lidar com os próprios traumas e deficiências, e desenvolvem uma atitude beligerante, agressiva, com quer que seja.

Não estamos aí para isso. Ninguém merece.

Agressão:

Quando a agressão e os maus tratos forem freqüentes:

-Não se sinta culpado. Muitas vezes acontece sem sua interferência.

-Não fique para receber a agressão.

-Deixe a pessoa perceber o que está errado – a agressão.

-Ajude-a a se livrar desse defeito – é tudo que você pode fazer.

-Se trate bem, se trate com respeito.

-As pessoas carregam o egoísmo dentro de si – algumas equilibram – outras extrapolam – preste atenção.

-Procure ajuda profissional para você e para o agressor.

Será que você está se fazendo de capacho?

-Se você está sempre concedendo, dando e não está recebendo nada, você pode estar estimulando o fenômeno do capacho.

-Se você não vocaliza, não dá opinião e se deixa levar pelos outros com freqüência também está ajudando.

Não sou um leitor freqüente de Oprah, mas o site dela tem um artigo interessante sobre o assunto, com perguntas adicionais para você identificar o comportamento de capacho.

Oprah – Don’ be a doormat.

Vale à pena ler o artigo, e transcrevo aqui as perguntas:

1-Eu minto sobre os meus sentimentos com medo de desagradar alguém?

2-Eu espero que as pessoas se dêem conta de que cheguei no limite mas não digo nada?

3-Eu fico paralisada quando me perguntam o que quero, gosto ou penso?
4-A minha lista de coisas para fazer está cheia de coisas que não quero e que não gosto?

5-Eu como, choro, fumo e bebo quando estou com raiva?

6-Às vezes me sinto esgotada e explodo com os meus amados e depois me sinto muito mal.

7-Entro em pânico quando penso que alguém pode me desaprovar ou não gostar de mim?

8-Me sinto orgulhoso quando passo por cima das minhas necessidades para agradar os outros?
9-Fico ressentido fazendo coisas para outras pessoas?

10-Reclamado das pessoas e suas demandas quando estas não estão presentes?

Rubens Sakay (Beco)

Seja 100% você

Seja 100% você

Seja 100% você em qualquer circunstância. Tenha uma vida cem por cento dedicada a você, e não estou estimulando o egoísmo, mas sim de assumir a responsabilidade sobre sua vida.

A sua vida é consequência dos seus atos, a despeito das influências e obrigações que você faz contrariado.

A decisão do que fazer e especialmente a repercussão que cada situação vai ter na sua vida é totalmente sua.

A sua voz interior

A sua voz interior

Cuide com carinho da opinião que você tem sobre os assuntos que afetam a sua vida. Preserve a sua voz e a sua posição.

Tenha opinião, ouça a sua voz, não deixe as vozes dos outros abafarem as suas convicções.

Não digo que você tenha que ser teimoso e inflexível – sei que podemos e devemos aprender com a experiência dos outros.

As expectativas dos outros a seu respeito são ingredientes adicionais para a sua jornada. As suas expectativas de si próprio são essenciais.

Se permita um agrado

Se permita um agrado

Cuide de si mesmo, pois é um dever inalienável. Quem vai cuidar de você, se você mesmo está negligenciando?

Há quanto tempo você não se agrada, deliberadamente. Mantenha uma lista de coisas que pra você são agrados. Principalmente coisas que não te façam se arrepender. Uma taça enorme de sorvete pode te levar a uma crise de consciência. Um gasto excessivo em roupas pode te criar mais problemas financeiros. Mas dois minutinhos para ler aquela mensagem carinhosa que você recebeu de uma amiga querida, e que o dia-a-dia e a correria do trabalho te fez enfiar na pasta de mensagens para ler depois, pode ser um agrado valioso.

Seja gentil consigo mesmo.

 

Seja gentil consigo mesmo e não seja o seu principal algoz. Muitas vezes nos castigamos sem piedade, crítica, culpa, arrependimentos, decepção, e isso pode continuar por muito tempo. Pode se tornar um processo destrutivo, esmagando a autoestima, comprimindo a nossa capacidade de reagir, e nos deixando acuados num canto.

Temos que arrumar um jeito de parar com esse diálogo crítico e severo consigo mesmo.

O ser humano sempre procura por validação. Queremos ser aceitos e aprovados no nosso grupo, e quando entramos nesse círculo vicioso da invalidação, nos sentimos descartáveis, rejeitados por nós mesmos.

Evite tudo que estraga a vida.

Na mensagem de hoje estou parafraseando David Servan Schreiber que escreveu que devemos nos empenhar em viver uma vida boa, evitando qualquer coisa que possa estraga-la.

Favoreça aquilo que alimenta uma vida pródiga e que te permita desabrochar, mostrar para o mundo e para si mesmo o que você tem de melhor.

Arrumamos encrencas para nós mesmos, nos metemos em confusões e desperdiçamos o tempo precioso. Jogamos fora as oportunidades para enriquecer a vida com experiências imperdíveis.

Evite perder tempo com bobagens, fofocando a vida alheia, fomentando conflitos e se estressando e criando estresse no ambiente onde convive.

Menos em você, mas não menos de você.

Já comentei outro dia que humildade não é humilhação.

Pense menos em você, mas nunca menos de você. Seja humilde e coloque os outros em destaque, cuide dos outros, mas sem se descuidar de você mesmo. Não pense menos de você, não se diminua, não se desvalorize, não se coloque por baixo.

É bastante possível exercitar a humildade com nobreza, com compaixão, com misericórdia, sem ser arrogante, ou mesmo se desmerecendo.

Quando olhamos mais pelos outros, exercitamos a generosidade, a afeição, a compaixão, e tudo isso nos coloca para cima, são virtudes que nos nutrem, nos tornam mais fortes, melhores pessoas.