ajuda Posts

Dê prioridade aos amigos

Dê prioridade aos amigos

Valorize as amizades, os relacionamentos; dê prioridade aos amigos.

Este mês fomos todos surpreendidos com o lançamento do programa do governo britânico de Thereza May, estimulando e orientando o país todo a dedicar atenção aos relacionamentos. Dizem que May recomenda que os médicos prescrevam mais relacionamentos e nem tanto medicamentos.

Faça outra pessoa feliz e assim vai ser feliz também

Faça outra pessoa feliz e assim vai ser feliz também

Faça outra pessoa feliz, e saiba que é a maneira mais fácil de ser feliz.

Pode parecer simples e até ingênuo afirmar isso, mas estudos mostram cada vez mais que esse é o melhor caminho.

Já escrevemos muito sobre isso, mas sempre vale a pena voltar no assunto.

Faça outra pessoa feliz:

Há muitos anos atrás publiquei uma postagem replicando as recomendações de Leo Babauta exatamente sobre isso:

Como fazer o outro feliz.

Você pode sempre clicar no link e visitar a postagem novamente, mas vou reavivar algumas das recomendações, e fazer novos comentários.

Você sempre pode acessar o blogZenHabits que é onde aprendi um pouco mais sobre este tema.

Nós todos temos uma ideia de como ser mais feliz, mas o fato é que erramos muito na receita.

Faça outra pessoa feliz e você vai aprender rapidamente que essa é a melhor receita para ser mais feliz.

Se importe com os outros e sinta o prazer e a satisfação que é de fazer o outro feliz.

Mude a sua atitude, e se comporte nessa direção.

Recomendações de Leo Babauta:

1-Mande uma mensagem, um e-mail de agradecimento, ou simplesmente agradeça como julgar conveniente.

2-Dê um abraço, mesmo que sem motivo, transmita calor humano

3-Gaste algum tempo com eles.

4-Esteja lá quando precisarem.

5-Ouça.

Gretchen Rubin, também nos passa 5 recomendações que traduzo abaixo:

1-Aniversários – lembre-se das datas de aniversário das pessoas. É muito fácil manter uma lista.

2-Me lembrei de você – mande um Email relatando o fato de ter-se lembrado da pessoa em tal ocasião ou situação. É sempre bom ser lembrado.

3- Ajude as pessoas a pensarem grande – encoraje os amigos para a realização de coisas grandiosas.

4-Recomendações – se você sabe de uma recomendação fantástica, passe adiante.

5- Apresentações – conecte pessoas com pessoas – muitas situações dependem de alguém que apresente alguém para alguém.

E se, no final, não te ocorrer uma maneira para fazer o outro feliz, lembre-se que ser uma pessoa agradável e desejável no convívio com os amigos já é feito significativo.

Rubens Sakay

Pequena conversa com estranhos

Pequena conversa com estranhos

No nosso cotidiano, mesmo com toda correria, temos sempre a chance de conduzir uma pequena conversa com estranhos. Pode parecer simplório, mas bem conduzido, isso vai te trazer um bem estar, e você vai exercitar a sua empatia e compaixão.

Ajude os adolescentes a se sentir bem consigo mesmos

Ajude os adolescentes a se sentir bem consigo mesmos

Ajude os adolescente a se sentir bem consigo mesmos, a se valorizarem e construírem uma imagem positivo do seu futuro. É uma fase importante de descobertas mas também uma etapa de muito sofrimento. Li um artigo de Amy L. Eva, uma especialista em educação e me ocorreu compartilhar o que aprendi.

Mais feliz

Mais feliz

Quem não quer ser mais feliz?

Se você chegou até aqui é porque espera encontrar alguma dica prática para melhorar a sua felicidade hoje mesmo, e é exatamente isso que você vai encontrar. Aproveite este blog completamente.

Compaixão com a pessoa que está em sofrimento

Compaixão com a pessoa que está em sofrimento

Ajudar os outros pode ser um instinto natural, de sobrevivência da raça humana, e quando nos deparamos com uma pessoa em sofrimento, o sentimento adequado é a compaixão.

Não é sentir pena, indignação ou impotência.

Compaixão significa sentir você mesmo a dor da outra pessoa e querer que essa dor cesse.

Ligue para alguém quando estiver se sentindo sozinha

Ligue para alguém quando estiver se sentindo sozinha

Não se isole quando estiver com dificuldades. Algumas pessoas escolhem se proteger debaixo das cobertas, um comportamento que lembra a nossa infância, mas não tem qualquer efetividade quando os problemas são reais.

Conversamos todo o mundo pelo celular, mensagens e recados, mas quando a coisa pega, ficamos ruminando e não nos ocorre ninguém para ligar e pedir alguma ajuda.

O que está acontecendo?