abundância Posts

Vitral virtuoso

Vitral virtuoso

Neste ano que se inicia, desejo que todos possam fazer o exercício do vitral virtuoso.

Imagine um vitral maravilhosamente confeccionado, com um desenho inigualável, cores vivas, que fazem com que a luz que vem de fora seja profundamente enriquecido quando transferida para dentro.

Vitral em si mesma:

Pense o vitral em você mesma, se abrindo para o bem que existe no mundo, acolhendo a beleza e as bençãos que a vida lhe oferece. Permita que tudo chegue até você como um presente. Aceite a vida por inteiro.

Quando a noite se apresenta, e o escuro toma conta do ambiente externo, o vitral ameaça perder a sua exuberância, e aí, é hora da luz interna se fazer presente.

De dentro para fora:

Pense agora o seu vitral, se iluminando de dentro para fora, mostrando a sua força, a sua energia.

Deixe brotar o bem dentro de você e faça o vitral brilhar, mostrar a sua cor, mesmo no meio da escuridão.

A imagem do vitral é um convite para a reflexão de que devemos estar estar abertos para receber o bem que nos é oferecido a todo momento. Receber e agradecer, e permitir que o bem entre em nós.

Momentos tristes:

Quando os momentos tristes e dolorosos nos chegam, é hora de mostrar do que somos feitos, deixar aflorar o bem que está dentro de nós. Deixar a luz que guardamos no coração chegar até o vitral, dar cor à nossa vida.

A vida não é fácil para ninguém, e há momentos que queremos nos sentar e chorar, mas a força está em nós, e na fé num Poder Superior.

Viver com o vitral sempre limpo, de coração aberto, é uma exigência.

Viver e receber tantas coisas boas que nos acontecem, é uma benção.

Deixar o bem brotar de dentro de si é uma virtude que temos que cultivar.

Rubens Sakay (Beco)

 

O frescor da manhã depois da chuva

O frescor da manhã depois da chuva

A chuva tem um significado especial para mim. Moro numa região onde temos duas estações, a da seca e a das chuvas.

Quando chega o tempo da seca, não notamos propriamente, pois o tempo vai secando até ficarmos completamente sem chuvas por quase 6 meses, mas quando chegam as chuvas, impossível não sentir o frescor da manhã depois das primeiras chuvas.

Saio para caminhar logo cedo com minha cadela, e hoje foi particularmente agradável, sentindo a umidade enchendo os pulmões, e a gente não se dá conta da carga de oxigênio até que o ar puro enche os pulmões.

Os instantes mágicos da vida

Os instantes mágicos da vida

Não deixe a vida passar despercebida. Fique atento para a abundância e para os instantes mágicos que acontecem no seu cotidiano.

Um prazer momentâneo, um pássaro raro que cruza o ar. Uma flor tão esperada acaba de desabrochar. Uma brisa fria e maravilhosa num dia calorento. Fique atento, aprecie, saboreie. Não se distraia.

O primeiro dia da sua lua-de-mel.

Escreveu Leon Tolstoi que devemos viver o dia como se fosse o primeiro dia da lua-de-mel e o último dia das nossas férias.

No primeiro caso, queremos que dure a vida inteira. No segundo, gostaríamos que durasse a vida inteira.

Em ambas situações, me parece que nos empenhamos para aproveitar o máximo daquele dia, cada minuto, cada momento.

Muitas opções para decorar o bolo.

Quando pensamos numa boa experiência vivida, devemos imaginar um bolo que acaba de sair do forno. Muito bem feito, com a forma textura e aroma perfeitos.

Vamos agora decorar o bolo. Podemos fazer isso de muitas maneiras, uma melhor que a outra.

Analogamente, quando fazemos o mesmo com as boas experiências que vivemos, estamos colocando todas elas na nossa estante da memória, muito bem decoradas.

Felicidade – um pacote pronto.

Como diz o Dalai Lama, a felicidade não é algo pronto, que chega de presente. É fruto das nossas ações. Temos que fazer por merecer. Temos que fazer a nossa parte.

Não vamos receber um pacote no dia do nosso aniversário com o seguinte bilhete – a sua felicidade está aqui dentro.

A felicidade é um estado de espírito, pronto para usufruir da abundância da vida.

É também a responsabilidade para fazer aquilo que está ao seu alcance.

Se bobear, a vida fica curta.

Chega uma hora que não dá mais para gastar o nosso tempo com besteiras.

Acho que essa recomendação vale sempre, para qualquer idade.

Sem dúvida se torna fundamental quando já cruzamos o limite do idoso.

Quando isso acontece, deveremos já ter desenvolvido alguns mecanismos da maturidade, que faz com que a nossa atenção não se prenda mais ao supérfluo ao fútil e desnecessário.