Soluções pacíficas.

Baixe o tom.

Busque uma solução pacífica.

Quando pensamos nisso, vêm logo na cabeça os exemplos de Gandhi, Dalai Lama, Martin Luther King, e vale a pena inspirarmo-nos neles e em outros tantos para a nossa vida cotidiana.

Os ensinamentos espirituais podem ser alcançados facilmente nos escritos, por exemplo, o livro Para Viver Em Paz de Thich Nhat Hanh, dentro de um elenco bastante variado de alternativas.

Para alguns, pode não ser uma tarefa fácil, a decodificação dessas lições para os eventos que vivemos no trabalho, na escola, na família e entre os amigos.

A paz interior é fundamental para buscarmos a paz exterior.

As pessoas que têm uma atitude beligerante, não possuem um ferramental eficiente para construir a sua paz interior.

Como disse Goethe: “se cada um mantiver limpa a porta da sua casa, teremos um mundo limpo”.

A paz interior é uma jornada e não um destino, e muito do que tenho escrito aqui tem a ver com essa jornada, desde a primeira postagem que inaugurou este blog, no primeiro dia deste ano – Mantenha o seu coração aquecido.

Nessa jornada, temos que fazer escolhas todo momento, e elas irão influenciar a serenidade e a paz de espírito que nos acompanharão por todo o trajeto.

Seja um catalisador de um clima de paz. No seu convívio, seja aquele que joga uma toalha quando o tempo começa a esquentar.

Seja um pacificador, mostrando aos outros os pontos de concordância e convergência. Mostre o caminho para o entendimento.

Mostre os pros e os contras e enfatize a aprendizagem e os ganhos de todo mundo.

As divergências nas preferências políticas, as religiões, as convicções que todos temos das nossas coisas, tudo pode ser levado para o radicalismo e o tom alterado nas discussões.

Baixe o tom e ajude os outros a baixarem o tom.

Lance algum comentário engraçado, tome as rédeas da discussão e dê um novo enquadre mais conciliador, traga a sua experiência.

Os conflitos são gerados por percepções diferentes sobre a mesma situação, e ninguém quer sair perdendo. Nesses casos, é importante entender e fazer entender que ninguém está perdendo nada.

Num relacionamento, o processo de fervura se assemelha à da água. A água começa a se agitar, as bolhas começam a se formar, até que ferve pra valer, respinga, queima e pode pôr tudo a perder.

É importante colocar atenção no processo e interferir quando a água ainda se apresenta calma e transparente.

Quando as pessoas fazem menção de pegar a espada ou levantar o escudo de proteção, alguém tem que tomar a iniciativa.

Seja você um arauto da paz e da serenidade.

Contribua para a paz e a felicidade dos outros e você será mais feliz.

Beco

1 Comentário

Eli Lima

about 7 anos ago

É, é uma jornada interior. Cheia de curvas e pedregulhos, mas que nos fazem aprender que aquele que busca a paz sabe onde encontrá-la. A paz pode ser encontrada em uma cor, uma flor, em uma casa, em atitudes de respeito à natureza e às pessoas. A paz habita o pensamento que merece ser pacificado. São vários os instrumentos que abrem caminho para desejarmos que a casa da paz seja aqui, neste mundo. Belo texto! Obrigada pela contribuição! Fique bem.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta