Sinto que faço parte.

Depende de nós nos incluirmos, e o sentimento de pertencimento é uma coisa fundamental.

Tomei conhecimento uma vez sobre a maneira como os índios Sioux educam os filhos. A base dessa educação hoje está sendo utilizada na escola dos brancos.

Diz a filosofia indígena do Círculo da Coragem: se relacione com todos que você conhece. Trate todos como se fossem seus íntimos, e assim, mesmo que seus pais venham a faltar, sempre haverá que cuide de ti.

Um dos pilares dessa educação é o desenvolvimento do espírito de corpo, permitindo ao indivíduo usufruir e cultivar o sentimento de pertencer ao grupo, à tribo.

Muitas vezes somos nós mesmos que nos excluímos.

Não podemos ser felizes sozinhos. Precisamos de outras pessoas em nossa vida.

Nos sentimos gratos e abençoados por poder ajudar, e fazemos isso com maior facilidade com aqueles que nos cercam, aqueles do nosso grupo.

Nascemos, como muitos animais, atados à mãe pelo sentimento de pertencimento, e gradativamente vamos desenvolvendo o sentido da independência e autonomia.

Aprendemos que podemos dar, ajudar e ser útil para aqueles que nos cercam, e nos sentimos felizes com isso.

Precisamos expandir os nossos limites do pertencimento além dos limites da família, e isso fazemos sempre. Isso nos faz felizes.

Ao longo da vida somos constantemente tensionados pela independência e pela socialização, e o equilíbrio disso é que nos mantém saudáveis.

Não somos completos sozinhos, e aprendemos essa mágica complexa da convivência.

Aprendemos a dar um tapinha nas costas, um sinal de aprovação, um aceno de parceria, e a vida que segue.

A amizade, a fraternidade, o senso de grupo – precisamos de tudo isso.

É o sentimento de vida, de natureza, de humanidade, que o mundo moderno nos tem cerceado.

Precisamos desse sentimento de fazer parte de tudo isso.

E o déficit de pertencimento opera na gente como o déficit nutricional.

A saúde se torna precária, e a alma desamparada.

Beco

1 Comentário

Fernanda Marques

about 6 anos ago

Pura verdade, lindo texto!

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta