Ser dura consigo mesma.

Não seja dura consigo mesma naquelas coisas que estão fora do seu alcance.

Quando é algo que esteja sob a sua responsabilidade e você tenha algum controle, cabe ser crítica, até para que você possa melhorar. Mas quando o assunto foge ao seu controle, é uma perda de tempo ficar rodando na mente aquele aplicativo de crítica de si mesmo.

Vai entrar em parafuso, especialmente porque não há nada a fazer.

Culpa:

Se culpar ou se martirizar por coisas que você não consegue controlar, é no mínimo um ato de desonestidade consigo mesma.

Seja honesta consigo mesma.

Tenha noção daquilo que pode cobrar de si mesma.

Às vezes deixamos de fazer algo hoje para fazer amanhã, e de repente cai uma chuva que estraga os nossos planos.

Não adianta nada ficar me culpando pela chuva. Se não tivesse chovido, eu teria feito tudo direitinho.

Controle:

A chuva está fora do meu controle, e não devo me culpar por isso.

Muitas vezes me culpo por coisas que outras pessoas fazem.

Desde quando virei o responsável pelas pessoas do planeta?

Cada indivíduo tem sua própria responsabilidade, e ninguém precisa ser pajeado.

Temos um péssimo costume de nos sentirmos responsáveis pelos membros da família, dos colegas de trabalho, e se deixar, vamos querer abraçar o mundo.

No fundo, é a valha prepotência atuando como nunca.

Não sou Deus e nem seu assessor pessoal.

Sou apenas alguém que tem defeitos e quer se livrar deles.

Sou alguém que descobriu alguns caminhos para melhorar e está determinado a segui-los.

Pense na crítica de si mesmo como algo construtivo.

Não se critique gratuitamente.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta