Se você tem que fazer, faça.

Se você tem que fazer algo de que não gosta, mas que é inevitável, não assuma uma postura reativa e infeliz.

Não procrastine.

 Respire fundo e vá em frente, sem resistência e com tranqüilidade. O resultado vai ser melhor e a tarefa vai ser executada mais rapidamente.

O erro, muitas vezes é ficarmos enrolando, fazendo com que a tortura seja infindável.

Para não fazer um fim com horror, fazemos um horror sem fim – empurrando para depois, para amanhã e assim por diante.

Não conseguimos evitar a responsabilidade sobre tarefas ou ações desagradáveis, isso acontece com todo mundo – uma ligação telefônica estressante – terminar um relacionamento – demitir uma pessoa no trabalho.

São coisas que desejaríamos não ter que fazer, mas se tem que ser feito, não deve ser procrastinado, pois leva ao estresse e à infelicidade.

Diz o professor Joseph Ferrari da Universidade De Paul, que dizer ao procrastinar – Faça! – não tem qualquer efeito – é como dizer à pessoa clinicamente deprimida para se animar.

Nos seus estudos, Ferrari encontrou grande correlação da procrastinação a traços de excessiva autoridade e pouca autonomia imposta por pais na sua criação.

As observações de outro estudioso, o professor Clary Lay da Universidade de York, de Toronto, levaram-no a desenvolver a Escala Geral de Procrastinação, constando que as pessoas que procrastinação, levam a vida na tônica dos desejos e sonhos, ao passo que as pessoas que não procrastinam levam a vida mais com o sentido das responsabilidades e das obrigações.

De qualquer forma, para evitar o estresse e a infelicidade de conviver com um rosário de coisas desagradáveis na lista de coisas a fazer – to do list – aqui vão algumas recomendações:

1-descreva a situação que você convive de empurrar com a barriga um determinado assunto ou tarefa – será que você não está se auto-sabotando?

2-verifique se nesse caso você não está na espiral descendente da auto-estima.

3-analise se a procrastinação não tem a ver com indecisão e o senso de perfeccionismo.

Para cada conclusão que você chegar, você pode encontrar neste blog e em diversos sites boas dicas para reflexão.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta