Se perdoe– perdoe o seu passado.

Às vezes olhamos algumas passagens do nosso passado com a maturidade de hoje e julgamos o jovem eu daquela situação, se esquecendo que ele era inexperiente, imaturo e assustado.

Assim como aceitamos os atos dos adolescentes e jovens de hoje, devemos perdoar o eu mais jovem, e aceitar que ele já aprendeu a lição.

Perdoe o jovem adolescente que foi você.

Um filme que assisti inúmeras vezes, do qual tirei várias lições se chama Shawshank Redemption. No Brasil ele foi editado com o nome – Um sonho de liberdade – e em Portugal, Os condenados de Shawshank.

O personagem, Morgan Freeman é um prisioneiro que passa quase a vida toda preso por conta de um crime que cometeu quando jovem. Todos os anos ele passa por uma entrevista para ver se ele sai em liberdade condicional – o que é negado sucessivamente.

Numa última vez, quando perguntado sobre o crime que cometeu, o arrependimento, a lição aprendida, ele relata o diálogo que teve consigo mesmo. Nesse diálogo que ele fez com o jovem dentro de si, entendeu a inexperiência e a imaturidade do jovem assustado que cometeu o crime lá no passado, e o perdoou – assim ele recebeu a liberdade condicional.

Uma coisa valiosa que aprendi, e que pratico vez por outra, é olhar para as minhas experiências do passado, constatar a lição aprendida e me perdoar.

O perdão, como nos ensina o Prof. Fred Luskin, nos liberta dos grilhões do passado, reduzindo o sofrimento com as feridas do passado.

Enquanto não perdoamos o nosso passado, estamos sempre recriando-o na nossa mente, gastando a nossa energia emocional que deveria estar sendo utilizada para criar um presente positivo.

Perdoar a si próprio é fazer as pazes consigo mesmo. É parar de brigar com aquele jovem inexperiente que você foi.

Reconheça a lição que aprendeu e mostre apreço pela pessoa que se tornou.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked