Se dê um tempo para entender a situação.

As coisas podem ficar confusas, mas não se precipite e se dê um tempo para entender a situação, o que realmente está acontecendo.

Não dê respostas reativas que podem te complicar mais, e você pode se arrepender.

Para muitas situações, é adequado deixar o problema dormir uma noite. No meio da tempestade, sob pressão, é difícil enxergar o caminho certo, o abrigo seguro.

Deixe a poeira assentar e você vai enxergar a saída. Não se apresse, se acalme, e se dê conta que a solução não precisa aparecer agora, neste momento.

Autocrítica:

Não seja duro na autocrítica, você é capaz, você vai conseguir, só precisa um pouco de tempo e serenidade para sair dessa.

Quando estamos estressados, sofremos o fenômeno da amplificação, tudo parece mais ameaçador, e alguns casos, caminhamos para a imobilização e a depressão. Temos que considerar também, procurar ajuda profissional.

Podemos ainda, consultar amigos e familiares em quem confiamos os nossos problemas. Quem está de fora do turbilhão, normalmente enxerga melhor do que aquele que está envolto em névoa e poeira.

Quando estiver em meio à tempestade, não se esqueça de se alimentar bem, e procure dormir, repousar. É muito fácil se descuidar do organismo físico, e aí nem energia temos para nos ajudar.

O tempo é um remédio para muitas coisas, e ele ajuda a clarear as coisas.

Dizem que tudo aquilo que se resolve com um pouco mais de tempo e um pouco mais de dinheiro não é na verdade um problema, pois a solução pode chegar com razoável facilidade.

Deixe o tempo trabalhar a seu favor. Vai chegar o momento, depois que o vendaval passar, de recolher o que for possível, consertar e seguir adiante. Lições podem ser sempre aprendidas. Adversidades sempre nos tornam mais fortes, e confirmam a nossa resiliência, a capacidade de se recompor, de se recobrar sem nenhum arranhão.

Confie em si mesmo. Confie numa Força Superior, e siga adiante.                                             R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta