Resiliência, o que é?

Resiliência, o que é?

Tenho falado muito sobre a resiliência, e vale a pena comentar mais detalhadamente este atributo que se tornou vital para qualquer pessoa, e muito importante para a educação dos pequenos.

É um termo importado da engenharia de materiais para a psicologia. Os materiais resilientes, no conceito da engenharia, são materiais com capacidade de não se deformar ao ser submetido a tensões físicas, e quando as deformações ocorrerem, ter a capacidade de recobrar a sua forma original quando as tensões cessarem.

Esse conceito tem sido aplicado com o mesmo entendimento para os indivíduos.

Há inúmeros livros de psicologia atuais que abordam a questão da resiliência, mas quero comentar um artigo antigo publicado pela revista TIME com o titulo: The Importance of Resilience.

O artigo comenta o caso real de Perry, criado em uma vizinhança perigosa, e ele próprio envolvido com pequenos delitos, e após quinze anos, totalmente renovado, é um modelo de realização.

Emmy Werner, professora da Universidade da California – Davies, estuda a resiliência pessoal desde os anos 50, e comenta como é impressionante a recuperação de jovens.

Ela própria, uma sobrevivente da II Grande Guerra, observa que não só a sorte determina a capacidade de encontrar o caminho da recuperação, mas os jovens sobrevivem e se realizam adultos produtivos, com as cicatrizes dos reveses, mas adaptados e fortalecidos.

Comenta Werner que os estudos apontam para alguns aspectos importantes para estudamos a resiliência nos indivíduos. É claro que a personalidade é importante, pois uma pessoa mais amigável e com certo grau de inteligência leva vantagem nesse quesito.

Outro ponto importante apontado por Werner são os laços familiares sólidos.

Os aspectos externos são abordados por Arthur Reynolds, da Universidade de Wisconsin, que afirma que o atributo da resiliência que vai aparecer no indivíduo mais tarde, tem a ver com uma reação em cadeia que age no indivíduo ainda na tenra idade. O mesmo ponto de vista é compartilhado por Mark Katz da Universidade da California em San Diego, que diz que os fatores negativos externos exercem um constrangimento à resiliência individual, e que é difícil para um indivíduo sozinho fazer frente à um ambiente hostil, sem qualquer ajuda externa.

Segundo o artigo, mais do que a loteria genética e a sorte, podemos influir na educação dos indivíduos, contribuindo para que desenvolvam a tão proclamada resiliência diante das adversidades que a vida lhes reserva.

Especialmente para pais e educadores, o artigo enumera algumas recomendações.

1-Identifique um talento e estimule o desenvolvimento deste no jovem. No caso do jovem citado no início do artigo, Perry, o talento para a dança lhe permitiu sobressair na sociedade, o que o ajudou a sobrepujar as adversidades.

2-Encontrar alguém que acredita no jovem, alguém que vai impulsioná-lo para a realização é muito importante. Pode ser um professor, um amigo ou familiar. No caso de Perry foi seu professor.

3-O jovem que conseguir desenvolver um rol de ferramentas pessoais para lidar com as situações tem maior chance de suceder.

4-Buscar ajuda – a capacidade de pedir ajuda quando está em dificuldades é muito importante.

5-Ajudar os outros, desenvolvendo essa generosidade também fortalece o indivíduo.

Segundo Bonnie Bennard, outra especialista no assunto, a resiliência não vem de qualidades excepcionais dos indivíduos, e sim de qualidades comuns, e muita gente vai apresentar isso durante sua vida.

Passe adiante.

Beco

8 Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta