Remoendo relacionamentos.

Não há nada que cause mais estresse no cotidiano que os relacionamentos pessoais, seja esposa, namorada, amigos, colegas de trabalho ou mesmo vizinhos e contatos eventuais.

Somos seres sociais, e as interações pegam pra valer, para o bem e para o mal.

Levamos muito a sério, eventos totalmente insignificantes – alguém que te incomoda na fila do banco – o caixa do supermercado que não estava de bom humor – alguém que te irritou no estacionamento.

Conflitos:

Uma falta de boa vontade de um colega de trabalho, um pequeno conflito com a esposa e a pouca maturidade do seu filho.

Tudo é motivo para uma bola de neve de estresse provocado por relacionamentos.

Difícil evitar, afinal, não podemos nos isolar numa caverna para uma hibernação.

Temos que conviver com tudo isso e viver e sobreviver – numa boa.

Não raro, um simples evento fica grudado no nosso cérebro por tempo demasiado.

Quero me livrar, mas quanto mais me esforço, mais o pensamento insiste em me perturbar.

Não insista em entender, julgar, tomar partido, pensar numa revanche ou qualquer outra coisa.

Pensamentos negativos voltam para a nossa mente como se atados a um elástico. Você empurra para fora e ele volta imediatamente.

Deixe passar:

Deixe ir e aquilo vai parar de te incomodar.

Uma mente povoada de pensamentos negativos gera apenas emoções negativas e um mal para a saúde.

Uma tática eu já comentei aqui, é substituir um pensamento negativo por outro positivo.

Experimente o seguinte: toda vez que você pensar algo negativo sobre uma pessoa, por exemplo, sua sogra, imediatamente procure na sua lembrança algo bom, uma coisa boa, um pensamento bom, e deixe que ele se expanda e tome conta do espaço mental.

Isso funciona para um montão de coisas, relacionamentos, trabalho, carreira, filhos e tudo que faz parte da nossa vida.

Ao conseguir substituir o pensamento negativo por outro positivo, imediatamente passe para a etapa seguinte – seja grato – pratique a gratidão.

Assim como devemos tirar o máximo de satisfação das situações, devemos tirar o que há de bom dos relacionamentos.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta