Quando nos sentimos afundando.

Às vezes, parece que as bóias sumiram, as águas traiçoeiras nos puxam para baixo. A vida é assim.

Como sobreviver?

Vou transcrever aqui uma postagem de Christopher Foster publicada no Goodlifezen, com o título: como a catástrofe pode abrir as portas para uma nova vida.

Foster se sentiu afundando, aos 63 anos, quando sua esposa faleceu às vésperas de comemorar 25 anos de casado e ele decidiu abandonar a comunidade espiritual que freqüentou por 36 anos.

As seis lições que ele aprendeu nessa renovação:

1-Seja persistente. Viemos ao mundo com a capacidade de dar a contribuição que só nós podemos dar. Ele não se refere tanto ao mundo externo, e as realizações materiais, mas à sua própria entidade espiritual, ao seu próprio ser.

2-Seja gentil consigo mesmo. As mudanças drásticas acontecem você goste ou não. Seja gentil consigo e dê graças à sua capacidade física de agüentar tanta coisa, e à sua fantástica fé e resiliência. Você está dando o melhor a cada momento.

3-Seja resiliente e acredite. Quando a coisa pega, é muito fácil perder a fé na vida, mas devemos nos comportar como a árvore que fica firme quando a ventania bate. Não significa ficar rígido, resistindo ao vento, pois você pode se quebrar. Os galhos da árvore vão para cima para baixo, para a direita e para a esquerda, movidas pelo vento, que eventualmente vai passar.

4-Encontre um símbolo da força. Assim como os índios e as civilizações ancestrais utilizavam símbolos para segurar e energizar, procure um símbolo próprio que te possa transmitir tal energia.

5-Agradeça à obra de arte que é você. Se você, em meio à tempestade da vida, posicionar-se quieto e consciente, vai perceber o quanto você está pronto para enfrentar o que vier.

6-Fique quieto e aprenda. Aprendi que no meio da catástrofe, ficar quieto é muito bom, e o silêncio não é vazio. O silêncio e a imobilidade são como uma bússola, repleta de sabedoria e que me orienta na tempestade.

Após esse período curto da tempestade, Foster está feliz, encontrou um novo lugar, uma nova companheira com quem compartilha um casamento há 13 anos.

Ele iniciou um blog sobre o tema felicidade e plenitude, o happyseeker, que vamos comentar em outra oportunidade.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta