Procure as notícias boas.

Temos um cérebro formado para se fixar em notícias ruins. O que é ruim, desastroso e perigoso chama a nossa atenção.

E o noticiário é construído para mostrar as catástrofes e chamar a nossa atenção. Como diz o velho ditado dos noticiários: “if it bleeds, it leads”, quer dizer que aquilo que sangra chama a nossa atenção.

Não é a toa que trafegamos nas estradas e constatamos que congestionamentos enorme se formam com a cena de um acidente. Mesmo que os veículos já estejam fora da pista, e os acidentados já tenham sido removidos, reduzimos drasticamente a velocidade para apreciar a ocorrência.

Temos que desenvolver o hábito de focar em coisas boas, ainda que isso vá de encontro do nosso instinto reptiliano.

Procure e peça pelas boas notícias. Se encontre com os amigos para boas notícias. Conte as suas coisas boas, as novidades alvissareiras.

Pessoas positivas:

Se aproxime de pessoas positivas, se afaste de pessoas que só trazem más notícias, fofocas e mexericos.

Sabemos que a felicidade está dentro de nós, mas a felicidade que vem de fora, das coisas boas que acontecem com os outros, nos animam também.

Quando abrimos os olhos e estamos atentos para as coisas boas, elas naturalmente acontecem com a gente, e não podemos evitar.

Não perca a chance de alegrar a vida dos outros, dê uma notícia boa, seja generoso também com as boas novas.

Aprenda a valorizar cada bom momento, e sempre que possível, compartilhá-los com outros, e tudo fica melhor.

Aprimore a sua capacidade de ouvir e ajudar, faça o bem a alguém, e seja você mesmo a boa notícia para outra pessoa.

Deixe o bem entrar dentro de você, se deixe contagiar.

Procurar as coisas boas é também evitar as coisas ruins, más companhias, conversas inúteis e hábitos tóxicos.

Esteja sempre do lado do bem. Defenda seus valores e valorize a sua reputação.

Aprenda a se deliciar com o sucesso dos outros, especialmente se livrando das comparações e da inveja.

Queira o seu bem, e fique bem com o bem dos outros.                                                             R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta