Primeiro escreva, depois fale.

Não saia reagindo com agressividade, primeiro escreva, depois fale. Temos um impulso para reagir a quem nos magoou. Especialmente quando fazemos isso de pronto, tipo bateu levou, podemos errar a mão.

Uma boa receita é escrever tudo que você está sentindo, sendo bastante específico no incidente com detalhes sobre quem disse o que.

A segunda parte é escrever como uma terceira pessoa, como uma matéria jornalística. Quando escrevemos como quem procura ver com isenção, tendemos a aliviar um pouco nas tintas.

Vá com calma:

Sei que é difícil se afastar emocionalmente do incidente, mas é exatamente isso que a escrita proporciona.

A terceira coisa é finalmente falar com a pessoa que nos magoou.

É bastante provável que quando terminar as duas etapas preliminares, você tenha pouco a dizer para a outra pessoa, ou tenha decido relevar ou simplesmente esquecer.

Quando a situação exigir mesmo uma conversa, depois de toda esta preparação, você estará menos tocado, e aquela chama de raiva e ressentimento pode até ter se apagado.

O mecanismo que acabo de descrever, aprendi na leitura do livro do Dr. Deepak Chopra, The Ultimate Happiness Prescription.

O cantor Leo Jayme tem uma canção que diz: eu tinha tanto pra dizer, metade eu tive que esquecer.

Acho que é quase isso, pois o final é decidir esquecer parte daquilo que te magoou, e isso já é um grande passo para ser feliz.

Releve:

Temos que relevar muita coisa na nossa vida, como uma receita para ser feliz. Guardar muita mágoa dos outros prejudicada enormemente os relacionamentos e envenena a nós próprios.

Assim como ensina o Dr. Chopra, as pessoas que têm por hábito escrever um diário, se beneficiam disso diariamente, pois escrevem aquilo que as faz felizes e também o que as magoam. Ao escrever, não só refletem sobre o sentido que cada evento realmente tem em suas vidas, mas também deixam passar aquela raiva momentânea e intensa. O que sobra, é uma analise mais fria e saudável do ocorrido, e muitas vezes, a preservação do relacionamento.

Preserve os relacionamentos e preserve a sua saúde, pois você sabe que carregar ressentimentos faz um mal enorme para o organismo.

O estresse crônico provoca um efeito insidioso no corpo, e devemos por todos os meios atenuar essa possibilidade.

R.S. Beco

1 Comentário

Denise T. Resende Pessoa

about 5 anos ago

Bom dia Rubens, Verdade que o ato de escrever "passa à limpo" nossos pensamentos mais abrasivos, intempestivos e feios. Eu tenho o hábito de escrever muito, desde a adolescência eu costumava registrar os acontecimentos em minha agenda e gostava de ter um diário para a conversa comigo mesma; tenho guardados meus diários de noiva, de gravidez, de deficiências psicológicas que gostaria de modificar e de vivências. Semana passada mesmo eu registrei em detalhes uma conversa difícil que eu precisaria de ter e verborragicamente desabafei, escrevi, escrevi, escrevi e cheguei a entregar a carta que na verdade parecia um jornal para o destinatário e antes que ele pudesse ler, tivemos a oportunidade de conversar com suavidade e fui recordando o que eu havia escrito e falando, resumindo, cortando os excessos, mantendo o foco e quando vi, já tinha falado tudo o que era importante. Recolhi o escrito e guardei (ufa que oportunidade!). A noite, ao reler o documento não entregue, fiquei feliz por ter preservado aquele relacionamento falando somente o que era para ser de verdade dito e o resto ficou sem ser dito e não fez diferença nenhuma. abraço e bom dia! Denise Resende

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta