Poucos prazeres e muitos afazeres.

Dizem que não somos mais seres humanos, somos afazeres humanos.

Estamos, muitas vezes, correndo atrás do rabo, gerando calor sem que qualquer valor seja agregado à nossas vidas.

Dê uma parada para refletir.

Desça por um momento dessa esteira hedônica.

Experimente ficar sem fazer nada.

Paz:

Primeiro vem o tédio, depois disso você vai experimentar uma paz.

Aí está o ambiente ideal para refletir sobre as coisas que você está perseguindo na vida.

As coisas materiais estão te completando?

O que está faltando na sua vida?

Se você tivesse pouco tempo de vida, o que faria?

Será que iria perseguir um milhão a mais, uma casa nova, um carro novo, ou mesmo um relacionamento novo?

Será que estou fazendo o que gosto, aquilo que é a minha vocação?

Me sinto feliz e realizado fazendo o que faço?

Estou dando tudo de mim nesse negócio chamado trabalho?

Flow de Csikszentmyhalyi:

Estou em fluxo, dentro do conceito de Csikszentmyhalyi?

Se estou apenas correndo atrás de algum prejuízo, cumprindo a agenda que não é minha, vale refletir sobre aquilo que me motiva.

Qual é a atividade que faria até mesmo de graça?

Qual é a atividade que sei que sou o melhor?

O que posso fazer para direcionar a minha atividade na direção do meu fluxo, da minha vocação?

Posso mudar de trabalho, mas posso também reinventar o próprio trabalho.

Posso mudar de rotina, fazer outra coisa, mas posso também transformar a minha rotina, sem deixar de fazer aquilo que faço hoje.

Deixe um pouco a preocupação, e transforme a sua ocupação para encontrar o seu Elemento como escreveu Ken Robinson.

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta