Pequenos pontos luminosos.

Quanto mais escuro o ambiente, maior é a nitidez com que vemos as estrelas, os pontos luminosos no céu.

Me recordo sempre da experiência de ir para o interior, no campo, e perceber o quanto o céu é estrelado. Sei que o céu é o mesmo da cidade grande, mas é preciso a escuridão para enxergar os pontos luminosos.

Aliás, sem a escuridão, sequer enxergamos as estrelas – é só olhar para o céu e ver se consegue perceber alguma estrela em pleno dia.

Quando estamos com dificuldades, precisando de ajuda, damos conta das pessoas fantásticas à nossa volta.

Na amargura, passando por uma grande dificuldade, aprendemos a valorizar pequenas coisas, percebemos quanta coisa boa acontece na nossa vida e as experiências enriquecedoras por que passamos.

A rotina frenética do dia-a-dia funciona como um holofote na nossa cara, impedindo que enxerguemos os pontos luminosos.

A corrida pela realização profissional, o conforto material e a lista de coisas por fazer não nos dão um minuto de paz para uma reflexão tão necessária.

É sempre uma boa recomendação escrever sobre as bênçãos recebidas, colocando especial atenção às pequenas coisas, os pequenos pontos luminosos.

Nada na nossa vida acontece por acaso.

Não somos um barco à deriva, batendo nas pedras e vez por outra aportando numa ilha paradisíaca.

Estamos no timão dessa embarcação.

Cabe a nós buscar o crescimento pessoal e a felicidade.

Não devemos nos deixar ofuscar pelas futilidades cada vez mais abundantes no mundo moderno, buscando no nosso mundo interno e na reflexão, as condições para perceber os pequenos pontos luminosos.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta