Peça trégua para a tristeza.

Peça uma trégua para a tristeza. Às vezes a dor é grande, e a tristeza avassaladora. Sabemos que a dor vai passar com o tempo, mas não temos sequer o ânimo para levantar a cabeça para fora das cobertas. Peça uma trégua à tristeza. Faça algo para si mesmo, mesmo sabendo que é um paliativo. Saia para umas compras. Visite um amigo. Faça uma pequena viagem.

O cachorro amigo pode ser um conforto. Cuidar das suas rosas é refrescante e nos renova a esperança em coisas florescendo na nossa vida.

Vá ao guarda roupas, escolha uma roupa bonita que você gosta muito, vista e saia por aí. Só para apreciar o cheiro da rua.

Se deixe contagiar pela alegria:

Ande pelo supermercado, pelas lojas e deixe um pouco da alegria de outras pessoas te contagiar.

Se dê um tempo para deixar a poeira baixar. Não se deixe abater.

Fomos feitos com a capacidade para nos curar, para nos refazermos dos revezes da vida e seguir adiante. É a resiliência, que nós todos temos um pouco ou bastante.

Temos que colocar isso em prática, deixar que essa força interna nos levante nas dificuldades e nos alivie o sofrimento.

A tristeza:

Podemos levar uma vida feliz mesmo com alguma tristeza, pois sabemos que ela vai passar.

A tristeza pode ser ainda relacionada com situações externas a nós mesmos, a corrupção, a miséria no mundo, guerras e violência.

Nesses casos, devemos desenvolver a distanciamento emocional. Saber e reconhecer as situações, exercitar a compaixão e fazer o que está ao seu alcance, evitando que isso te leve à imobilização.

Quando assimilamos a tristeza do mundo sem um distanciamento adequado, acabamos passados, exaustos e descrentes, o que não é adequado. Esse afastamento não é irresponsável e omissivo, pelo contrário, é um desligamento amoroso e compassivo.

Aceitar a tristeza e seguir adiante é saudável. Abraçar a tristeza e se afeiçoar a ela pode levar a depressão.

Todos nós temos momentos tristes, mas não devemos permitir que eles sejam portas fechadas para os momentos alegres.                                                            R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked