Pare de criticar o mundo.

Não fique criticando o mundo sentado no seu sofá, com o controle remoto na mão.

Aceite as coisas que não consegue modificar, mas assuma a responsabilidade por aquilo que está ao seu alcance.

Saiba que o que está ao seu imediato alcance é mudar a pessoa que você é. Se torne a pessoa que deseja ser, e não fique criticando o mundo como se ele fosse o responsável por não conseguir o que quer.

Deixe o mundo caminhar, abrace a realidade, aproveite e mude o que for preciso, principalmente em si mesmo.

Qualidade dos pensamentos:

Quando mudamos a qualidade dos nossos pensamentos, mudamos a realidade que nos cerca.

Pensamentos negativos só produzem maus resultados, ou ficamos estagnados ou nos metemos em encrencas.

Pense o bem para os outros e para si mesmo. Queira o seu bem e faça aquilo que tem que ser feito para melhorar a sua vida. Não descanse nem um dia nessa empreitada de se tornar uma pessoa melhor.

Às vezes vem um azedo na boca e temos o ímpeto de ficar na crítica ácida, esbravejando contra todos, sem sequer mover uma palha para mudar a própria realidade.

Não é uma atitude adequada. Temos que ter um senso crítico sim, mas acima de tudo, temos que agir, fazer a nossa parte.

Dê o exemplo, especialmente quando tratar dos pequenos. Eles aprendem em casa o que é certo e errado, e o seu lampejo de desonestidade pode pagar um pedágio triste na educação dos seus filhos.

Muita critica para fora pode também representar pouca crítica para dentro. Aquele que vive apontando defeito nos outros é incapaz de enxergar uma sujeira no próprio nariz. Temos que evitar esse papel desprezível.

Olhe para si mesmo com muita honestidade, se propondo a reparar o que for possível.

Sei que queremos nos tornar pessoas melhores, mas antes de tudo é preciso desenvolver uma autocrítica honesta e objetiva.

Assuma essa tarefa você mesmo. Não deixe chegar ao ponto de ser criticado abertamente e segregado pelos próprios colegas e familiares.

Compreenda o que são defeitos corrigíveis, e faça por si mesmo.                                                   R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta