Os músculos do perdão.

Aprender a perdoar é essencial, e manter esses músculos em plena forma é um exercício diário.

O exercício é sobretudo mental. Temos que pensar, aceitar e perdoar.

Assim como o exercício físico que fazemos para o nosso bem, devemos exercitar o perdão.

Quando perdoamos, fazemos um favor a nós mesmos, e não aos indivíduos que são o objeto do perdão.

Para o seu próprio bem:

Quando praticamos na academia de ginástica, não o fazemos para contentar o treinador pessoal, o cardiologista ou a namorada. O bem, para o corpo e para a mente, se reflete na sua saúde.

Do mesmo modo, devemos praticar o perdão da maneira correta, sem variantes tortuosas e desrespeitosas.

O perdão com condescendência é uma das maneiras tortuosas, pois acreditamos que estamos fazendo um favor ao outro – está errado, como nos ensina o Dr. Fred Luskin.

Outro modo inadequado é confundir o perdão com justiça. O Papa perdoou o indivíduo que atentou contra a sua morte, mas em nenhum minuto pediu ou influiu para que a pena fosse atenuada. Uma coisa é o perdão, outra coisa é a justiça.

Perdão também não é apagar da mente o que aconteceu, esquecer que aconteceu.

O corpo não esquece, e tudo que você sofreu está marcado no seu organismo.

Não há como se livrar disso, mas perdoamos para fazer as pazes com o passado, com o ocorrido.

Não é ato de nobreza:

O perdão não é um ato de nobreza com o outro – longe disso.

Aliás, quando perdoamos de nariz empinado, por cima dos nossos saltos altos, estamos fazendo um mal para si próprio. Estamos na verdade marcando esse evento, assim como marcamos um website no nosso bookmark.

O perdão é um ato de compaixão consigo próprio.

É compreender o seu sofrimento pelo ocorrido e trabalhar para que esse sofrimento seja amenizado, ou mesmo eliminado.

Muitas pessoas ficam agonizando com lembranças dolorosas, e podem desde já exercitar os músculos do perdão, e um dia de cada vez, se liberar desse sofrimento.

O perdão tem efeito imediato, embora tenha a ver com eventos passados.

Os efeitos do perdão são sentidos imediatamente, certamente saberemos no futuro como é o processamento químico no nosso cérebro, mas o fato é que ele ocorre.

Nos sentimos bem, nos sentimos aliviados, como se tivéssemos tirado uma carga do nosso coração.

Assim como fazemos com a academia de ginástica, devemos começar devagar, no passo que conseguimos dar.

O resultado é gratificante.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked