Os erros do passado.

Os erros do passado estão aí para te guiar, e não para te massacrar.

Não fique ruminando, se lamentando e se culpando. Aprenda a lição e tenha sempre em mente que valeu a pena.

Cada erro é um portal para novas descobertas, especialmente sobre si mesmo.

Aceite a si mesmo, como autor dos erros cometidos, e se perdoe agora mesmo.

Seja específico, para que isso funcione. Pegue um único erro, reflita e se perdoe.

O orgulho bobo:

Não deixe aquele orgulho bobo se colocar como obstáculo.

Não apenas reconheça o erro – é preciso fazer algo a respeito. Se não pode corrigir ou se desculpar, trabalhe isso internamente, para o seu próprio bem.

Se há eventos no presente que trazem de volta a lembrança dos erros do passado, examine cuidadosamente estes eventos.

Se os erros cometidos correm o risco de se repetirem, tire logo as lições de tal ocorrência – aprenda com suas quedas. Evite cair de novo, do mesmo jeito, no mesmo lugar.

Para que o passado seja passado, você tem que trabalhar os pontos espinhosos – não enfie para debaixo do tapete, assim eles voltam para te assombrar.

Você não precisa ser perfeito – abandone essa estratégia, sempre perdedora.

Depois que cometemos erros, aprendemos as lições, firmamos o passo, pisamos em solo seguro, levantamos a cabeça e seguimos em frente.

A vida é muita curta para ficarmos lamentando os erros, as más escolhas e projetos fracassados.

Temos que aproveitar o caminho pela frente, e muita coisa boa nos espera. Temos que estar animados.

Os erros que cometemos contra nós mesmos, abuso de substâncias, delitos e desvios devem servir de lições. Temos que aprender a nos amar, acima de tudo.

Frequentemente ficamos desapontados consigo mesmo, e devemos ter em conta, como explica Paulo Coelho, que os desapontamentos são artifícios que Deus tem para nos mostrar o caminho.

O sucesso pode não revelar tudo que fizemos corretamente, mas os erros estão clamando pela nossa atenção para nos mostrar o que fizemos de errado.

Temos que ter a mente aberta.                                                                   R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta