O que recebi em troca?

Sei que tudo que acontece na minha vida tem um propósito, e que mesmo as adversidades contém alguma lição, alguma coisa boa que recebo em troca.

Mas por vezes, fico pensando. Nessa dificuldade que acabo de passar, o que recebi em troca? O que vou aprender com isso? O que ganhei com isso?

Algumas coisas que aprendi com o tempo me ajudam nessas situações.

O primeiro e abrir a mente para coisas boas, não fechar o foco no negativo, se abstrair um pouco do problema, das dificuldades vivenciadas.

A outra mudança é apreciar a vida nas mínimas coisas, e perceber que somos agraciados, não em uma grande coisa, mas em inúmeras pequenas coisinhas, que olhadas com bons olhos, adquirem um valor enorme por si só.

Raiva e arrependimentos:

Não devo me afogar na raiva e nos arrependimentos, se fazer de vítima, de coitadinho, pois todos carregam a sua cruz, e sei que a minha não é nem maior nem menor que a minha medida.

Outro ponto importantíssimo, é que a recompensa não vem contigua no tempo com a generosidade praticada. O troco pode não vir muito próximo no tempo.

Coisas que fiz há mais de trinta anos, tenho a impressão que me são devolvidas com juros agora.

Se acharmos que temos que receber algo por tudo que fazemos, e que a recompensa tem que vir em seguida, vamos nos frustrar, e nos sentir sempre injustiçados.

O melhor a fazer é exercitar a generosidade sem pensar na sua recompensa, sabendo, no entanto, que ela virá.

Não devemos ficar obcecados pela recompensa, reciprocidade ou coisa parecida.

A vida perde o sabor quando fazemos de tudo um toma lá da cá, eu te faço isso, mas você me devolve com aquilo.

A leveza e o desinteresse quase ingênuo dá um toque mágico nas mínimas coisas do cotidiano.

Faça o bem, pense o bem e a sensação virtuosa que você sente, já é uma recompensa e tanto.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta