O que é da minha conta e o que não é.

Gastamos uma parte da nossa energia e paciência, preocupados com coisas que não são da nossa conta.

Quem casou com quem.

Quem ganhou quanto de salário.

Quem ganhou o quê de presente.

Quem deu azar nisso ou naquilo.

Quem teve a sorte nisso ou naquilo.

O que os outros pensam, em grande parte não é da minha conta.

A coisa mais importante que nos foi concedida, foi o poder para decidir sobre as coisas da própria vida, do contrário seríamos escravos.

Pautar as nossas decisões pelo que os outros pensam, gostam ou preferem, é abdicar da nossa discricionariedade e individualidade.

A liberdade está ligada à possibilidade de escolha. Quem não pode escolher, ou abdicou do seu direito de escolher é como seu fosse um escravo.

Algumas pessoas são obcecadas pelo que outras pessoas pensam dela. Isso vira uma neurose e uma deficiência de comportamento, e fonte de infelicidade.

Terry Cole-Whitaker escreveu um livro muito divulgado: Happiness -What you whink of me is none of my business – Felicidade – O que você pensa de mim não é da minha conta, livro este que pode ser uma boa leitura para quem quer abandonar essa deficiência.

Se libere da necessidade de buscar aprovação externa.

Fulano pensa que cicrano é um canalha.

Fulano pensa que você não é a pessoa adequada para …..

Fulano acha que você deveria fazer….

Esse é um comportamento totalmente imaturo, que desenvolvemos quando bebês e crianças, exigindo as palminhas de parabéns em tudo que fazíamos. Não somos mais aquelas focas amestradas. Somos adultos, capazes de tocar a vida, com competência para decidir sobre nossas coisas, sem necessidade daquela aprovação e palminhas de parabéns.

Beco

1 Comentário

Elaine

about 5 anos ago

Goste do testo se poderem enviar outros testo pra mim eu agradeso desde ja obriga.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta