O prazer enriquecedor de aceitar outra pessoa

Aceitar outra pessoa tal qual ela é produz um bem estar para nós mesmos. Temos o péssimo hábito de julgar imediatamente a outra pessoa.

Nem bem a compreendemos e já estamos rotulando e enquadrando.

Quando conseguimos aplacar essa tendência para julgar e compreendemos honestamente suas ações e seus motivos, experimentamos uma sensação enriquecedora de usufruir da sua companhia.

Aceitar as outras pessoas é fundamental para convivermos em harmonia.

Aprendizado:

Sempre temos algo a aprender com os outros, e quando julgamos logo de início, perdemos a chance de aprender qualquer coisa.

Quando compreendemos, identificamos pontos em comum, interesses convergentes e possibilidades de parcerias ou experiências enriquecedoras que podem ser vividas em conjunto.

Quando julgamos, raramente aceitamos, pois encontramos tantas divergências, supostos defeitos e motivos para apartação.

Perdemos assim a chance de uma boa convivência.

Limitações:

Somos seres sociais, e o julgamento precipitado é uma limitação enorme para os relacionamentos.

Queremos todos viver bem com os outros, mas para isso, temos que exercitar a aceitação.

Por outro lado, quando desligamos o interruptor do julgamento e buscamos aceitar a outra pessoa tal como ela é, imediatamente experimentamos o prazer de estar junto, de ouvir e conversar.

Faça você essa experiência da próxima vez que lhe for apresentado alguém.

Aceite imediatamente, antes de qualquer palavra, e coloque em prática aquela saudação usual: “prazer em conhece-la”.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta