O meu orgulho ferido.

Há incidentes que afetam a nossa autoestima para baixo, e sentimos o nosso orgulho ferido.

O que acontece com a gente nessas ocasiões?

Como faço para evitar que esse sentimento me atinja corriqueiramente?

Que lições posso tirar desse sentimento, dessa sensação?

Lições no momentos criticos:

Esse fenômeno que pode chegar suave como uma chuva fina, mas pode vir forte como um tornado, e é natural do ser humano e devemos aceitar isso.

O que nos incomoda é nos sentir para baixo, um azedo na boca e a cara amarrada.

Muitas vezes isso vem com um sentimento de exclusão, e todos nós já experimentamos isso quando criança ou adolescente.

Não quero dizer que os adultos não sintam isso, mas os jovens estão num processo de construção dos relacionamentos, e a exclusão soa sempre como a pior coisa do mundo – ser excluído da festa – ser preterido no namoro.

Faz parte da nossa vida, ser excluído em uma ou outra circunstância. Temos que lidar com isso, aceitando aquilo que está fora do nosso controle.

Não fomos escolhidos para o emprego, não recebemos a promoção, não recebemos o bônus, não fomos escolhidos para padrinho e assim por diante, mas a vida continua.

Sentimentos:

Também não há nada de errado com os nossos sentimentos, e não é o sentimento e a sensação que machucam, é esse sentimento que mantemos engarrafado e nos servimos dele todo tempo. Temos que deixar ir, temos que desapegar das situações.

Reconheça o sentimento imediatamente quando ele te afetar e estará dando o primeiro passo para deixa-lo ir.

Não se culpe e não culpe ninguém, e assim você vai tirar o poder das outras pessoas te magoarem.

Não faça tantas comparações com outras pessoas, pois isso é outra fonte de insatisfação, e acabamos nos sentindo por baixo.

Reduza a expectativa que tem das pessoas e assim vai limitar as suas decepções.

Não quero dizer que não devemos esperar nada dos outros. O fato é que temos uma tendência de esperar muito, e fatalmente acabamos nos decepcionando.                                                      R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta