O medo não tem a ver com o agora.

O medo e o estresse que vivemos no nosso cotidiano pouco tem a ver com aquilo que estamos vivenciando no momento. Na verdade, o medo é que problemas apareçam, dificuldades aumentem, e uma catástrofe venha para acabar com tudo que temos hoje.

O medo tem a ver com o futuro, e é essa mente catastrófica que nos domina quando pensamos no futuro, que traz essa enxurrada de problemas imaginários para nos atormentar exatamente agora, quando deveríamos estar aproveitando o momento presente.

Medo do futuro:

Os prazeres da vida, e o usufruto do agora são totalmente eclipsados pelo medo que temos do futuro. Temos que fazer com que isso não se torne um comportamento contumaz.

Temos que ter a capacidade de abstrair do futuro, o suficiente para aproveitarmos tudo que a vida nos brinda agora.

A vida é boa agora, e vale à pena ser saboreada com tudo que temos direito.

Não temos que nos sentir culpados pelo que recebemos de bom, pela capacidade que temos de realizar as coisas e pela sorte e ajuda que sempre temos tido lá de cima.

Faço um convite para você neste momento, para fazer hoje um esforço especial para aproveitar o dia, o agora, este exato momento.

Ao acabar de ler esta postagem, focalize na sua mente algo prazeroso que quer fazer, desligue o computador e faça.

Simplesmente se levante, e vá na direção do que decidiu fazer.

Se for um passeio com o cachorro, faça isso e saboreie cada passo do trajeto. Interaja com o seu amiguinho.

Aproveite o momento:

Se for sair com a companheira, ou com o filho, faça de coração e aproveite cada momento. Converse, relembre, planeje, e não deixe que o medo das tempestades futuras desvie a sua atenção daquilo que está saboreando.

O mundo e o seu cotidiano, apresentam inúmeras possibilidades, e a vida é uma abundância de oportunidades, pedindo para serem aproveitadas.

Saboreie o momento. Não se preocupe com aquilo que não vai acontecer.

O futuro é, em grande conta, imprevisível. Não vale à pena dedicar-lhe tanta preocupação.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta