O indestrutível em nós.

As crises que parecem nos destruir colocam para fora aquilo que temos de indestrutível.

Quando o chão nos falta, a rapidez com que descobrimos onde nos segurar é uma habilidade que descobrimos em meio à crise.

Temos todos nós, algo que é feito de aço puro, indestrutível.

É a espinha dorsal da nossa resiliência.

Apenas descobrimos o nosso indestrutível, quando somos sujeitos à destruição.

Sabemos do que somos feitos, quando a tempestade ameaça a nossa estrutura.

Me lembro do filminho de criança dos 3 porquinhos e suas casas feitas de feno, madeira e tijolos.

Enquanto o lobo mal não está soprando, as casas se parecem iguais, os porquinhos bem acomodados e confortáveis.

Quando o lobo chega com todo o gás, e começa a soprar feito um furacão, a resistência é colocada à prova e apenas a casa de tijolos mostra do que é feito.

Assim somos nós. Nas crises mostramos do que somos feitos.

Só saberemos quando formos testados.

Isso acontece conosco à todo momento.

A vida é uma luta, e na luta descobrimos as nossas forças.

Não fuja à luta senão vai perder a oportunidade de conhecer o seu lado mais forte.

Não raro, o processo educacional enfatiza as deficiências do indivíduo, suas fraquezas, e por isso, as pessoas são até punidas para se lembrar sempre o que tem de mais fraco.

A psicologia positiva, por outro lado, enfatiza as suas forças, suas qualidades e seus pontos fortes, o que impulsiona os indivíduos para a realização, para a superação dos obstáculos e das crises.

Faça uma reflexão, descubra do que você é feito.

Você vai se surpreender.

Passe adiante.

Beco

4 Comentários

Joelson Vellozo Jr.

about 7 anos ago

No filme "Into the Wild" -- ou "Da Natureza Selvagem", em português --, há uma frase excepcional! Ela é muito simbólica e retrata em poucas palavras o desafio da superação, do enfrentamento dos medos, do contato com o lado mais cru da nossa existência. Lá pelas tantas, o personagem principal comenta: "And I also know how important it is in life not necessarily to be strong but to feel strong. To measure yourself at least once. To find yourself at least once in the most ancient of human conditions. Facing the blind death stone alone, with nothing to help you but your hands and your own head". :o)

Responder

Marina

about 7 anos ago

Beco, qdo estou ausente, me distancio, me silencio...é q estou em conflito enorme comigo mesma e a cabeça fica a mil...e visitando o seu blog, consigo parar pra pensar e colocar um pouco d ordem em mim.

Responder

Beco

about 7 anos ago

Marina, Temos todos, momentos de intranquilidade, de dúvida, e às vezes, de angústia sem qualquer explicação. Eu sei que no fundo do lago, a água é sempre serena, a despeito da tempestade que agita tudo na superfície. Mergulhar na serenidade do meu ser interior tem sido algo valioso para mim. Boa Sorte, Beco

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta