O homem mais feliz do mundo

O homem mais feliz do mundo

Sempre ficamos imaginando como seria a pessoa muito feliz. É possível, pois a revista Veja fez uma reportagem com aquele que a ciência elegeu como o indivíduo que apresenta a maior ativação cerebral relacionada com a felicidade. Ele é o monge budista Matthieu Ricard.

Matthieu Ricard:

Podemos conhecê-lo de muitas maneiras – vídeos no YouTube – livros escritos, e tantos artigos que se relacionam como seu trabalho sobre o budismo e a felicidade.

Ele é uma pessoa realmente adorável, doce e sábia, e esteve recentemente no Rio de Janeiro onde ministrou palestra no evento TED-Global.

Os cientistas criaram uma escala de medição da ativação cerebral da felicidade que ia até 0,30 – o que pareceu adequada para os indivíduos normais. Ricard atingiu 0,45 nesse padrão cerebral, o que deu a ele a fama de homem mais feliz do mundo. Ele mesmo refuta, dizendo que precisamos medir os demais 7 bilhões de indivíduos para fazer tal afirmativa.

Vale a pena descrever brevemente os seus ensinamentos.

Estamos tão distraídos no mundo moderno que não nos preocupamos em prolongar os preciosos segundos de felicidade,. Deixamos que os pensamentos perturbadores nos tirem desse estado de iluminação. Mesmo quando fazemos alguma coisa para ser mais feliz, apertamos os botões errados. Nos afundamos nos recursos hedonistas, o bolo de chocolate, e outros tantos apelos que podem nos trazer uma sensação momentânea, mas não altera a nossa maneira de ser, o modo como caminhamos nesta vida.

Outro ponto que ele reforça é o modo como lidamos com o sofrimento. Os prazeres não são nossos inimigos, assim como não o é o sofrimento. Sem culpar ninguém, nem se fazer de vítima, devemos permitir que o sofrimento seja um elemento transformador. Temo que construir uma ponte para nos tornamos indivíduos melhores.

Temos que trazer de dentro de nós, a bondade e a generosidade para fazer um contraponto com as agruras que invariavelmente enfrentamos na vida.

Como o mundo está em desarrumação hoje em dia, com as pessoas experimentando a depressão cada vez mais cedo. Pessoas se afundando em redes sociais e relacionamentos superficiais e sem sentido. Temos que colocar qualidade nas relações humanas, afastando o egoísmo e o materialismo. Isso tem que ser uma prioridade.

Rubens Sakay(Beco)

 

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta