O fluxo natural da experiência.

Deixe a vida te ensinar.

Não devemos lutar contra a corrente natural da experiência pessoal.

As adversidades vêm e vão – e nos ensinam um bocado de coisas.

Tudo que você sabe hoje, e não digo da matemática ou biologia, mas sim da perseverança, honestidade, compaixão, amizade, cooperação e tantos outros elementos, você os aprendeu de experiências passadas.

Educação:

Toda essa carga educacional, você não recebeu ao completar 18 anos, ela veio devagarzinho, em cada momento vivido.

É importante não fazer oposição à escola da vida.

Não dê uma de teimoso.

Não recuse ouvir.

Não seja inflexível.

Não faça de conta que já aprendeu tudo.

Temos o costume de observar os outros, o que estão usando, que carro dirigem, o tamanho da casa que habitam, mas nada disso nos ensina qualquer coisa.

Observar como as pessoas lutam para vencer as adversidades e os exemplos de coragem, perseverança, aceitação e humildade, isso sim, nos ensina um bocado.

Observe sobretudo as pessoas humildes, sem posses materiais substantivas e vai se impressionar com a capacidade de lutar e vencer que apresentam.

Ficamos impressionados, especialmente porque acreditamos que as posses materiais nos capacitam para alguma coisa, e precisamos ser lembrados que isso não é verdade.

Aprendemos consigo mesmo:

Outra coisa importante, é se deixar aprender consigo mesmo.

Você não é a mesma pessoa que era quando tinha 18 anos. Hoje, mais maduro, tem muito a ensinar para si mesmo.

Aquela reflexão que fazemos, e aquele diálogo que conduzimos consigo mesmo, é um momento de aprendizagem.

Temos que permitir e atentar para que esses momentos tenham lugar no nosso atribulado cotidiano.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta