O eu muito escondido.

Vivemos tanto tempo em piloto automático, correndo atrás das prioridades do trabalho, que sequer encontramos consigo mesmo.

O eu fica tão escondido que nem mostra a sua cara durante o dia todo. É lamentável, e temos que consertar isso.

Temos que aprender a se conhecer, e deixar que essa pessoa maravilhosa se revele em tudo que fazemos.

Não tenha medo do que vai encontrar, se aceite por completo, pois a aceitação é condição essencial para mudar aquilo que quer mudar.

Aceitação:

Enquanto não nos aceitamos, somos condenados a viver com a mesma pessoa que somos, e que por vezes nos incomoda.

Quem é que não quer melhorar, ser uma pessoa melhor a cada dia?

O querer tem que ser acompanhado de ação concreta nessa direção.

Reflita sobre si mesmo, busque uma introspecção nas suas forças e virtudes. Entenda honestamente as suas limitações e defeitos. Tenha a disposição para se manter no processo permanente de crescimento pessoal.

O nosso cotidiano nos estimula a viver papéis fictícios, e não raro temos que nos violentar para desempenhá-los.

O que devemos evitar é acreditar que tais papéis representam a nossa vida real. Fazemos isso de vez em quando, se necessário, mas temos que voltar ao nosso papel principal, o nosso modo autêntico de ser.

Aquele que se esquece de si mesmo e vive os papéis fúteis e materialistas que o mercado nos empurra, vai se arrepender um dia por ter desperdiçado a própria vida, que é única, e pode ser curta.

Amor próprio:

Temos que amar a pessoa que somos e gostar de conviver com ela diariamente. Não temos que fugir de si mesmo.

Não deixe que a correria te afaste da pessoa maravilhosa que você é.

Resista ao máximo à tentação de imitar, comparar e invejar aquilo que não é.

Aceite as pessoas como são, e a si mesmo, com tudo o que a natureza te agraciou.

Aproveite a vida ao máximo, e comece cada dia olhando para o espelho e estabelecendo um contato íntimo e carinhoso com a pessoa que está vendo naquele momento.

Fique ligado em si mesmo e seja feliz.                                                                               R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta