O direito de nos livrarmos da raiva.

Temos todos nós, o direito de nos liberarmos da raiva que sentimos dos outros.

Saiba que a paz é absolutamente possível e você tem que se empenhar em fazer valer o seu direito de se liberar da raiva que sente dos outros.

Nelson Mandela, ao sair de 27 anos na prisão, comentou que sentia raiva, ódio pelas pessoas que haviam imposto a ele tamanho mal, mas também concluiu que se continuasse com esse sentimento negativo, ainda seria cativo das mesmas pessoas. E como ele desejava a liberdade, ele deixou ir também toda negatividade.

A raiva é a manifestação visível de um fenômeno desastroso que acontece dentro de você. A sua saúde física e mental termina por ser comprometida com o abrigo continuado da raiva.

Ler as emoções e reações:

Aprenda a ler pequenas manifestações de raiva, busque a raiz desse sentimento e procure isolá-lo e com isso minimizar os efeitos sobre si mesmo.

Se faça sempre a mesma pergunta: até que ponto isto é importante?

Perceba como você faz tempestade em copo d’água. Se dê conta da desproporcionalidade dos eventos e os sentimentos que você guarda deles.

Olhe para os aspectos positivos da vida, e saiba que é preciso três coisas positivas para equilibrar uma única negativa.

Toda vez que você flagrar a sua mente passeando por pensamentos negativos acerca de uma determinada pessoa, traga imediatamente três pensamentos positivos para equilibrar, e assim você terá também um recurso para neutralizar a raiva.

Conte para si mesmo uma história boa, honesta e convincente dos eventos que trazem emoções negativas. Evite ruminar e cristalizar coisas ruins do seu passado.

Exercite a compaixão para com os outros e para consigo mesmo. Não deixe a raiva azedar tudo na sua vida.

Se dê importância, goste de si mesmo, pois o acumulo de raiva é sinal de baixa autoestima. Quando não gostamos de si mesmo, procuramos maneiras de nos punir, de nos espezinhar, e a raiva serve muito bem a esse propósito de automutilação.

Fuja da prisão que você mesmo se impõe quando escolhe por manter a raiva.

Exercite esse direito que você tem de viver em paz.                                                                   R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta