O dinheiro não compra.

Dinheiro não compra felicidade, já sabemos.

Mas será que o dinheiro compra algum bem-estar?

Afinal, o dinheiro é bom?

Uma coisa é certa e nós já sabemos. Depois de um determinado nível, não adianta acumular mais dinheiro que o seu bem-estar não muda nem um pouquinho.

Dinheiro é importante?

Sabemos também que ninguém vive sem dinheiro, e precisamos dele para suprir as nossas necessidades essenciais de abrigo e alimentação. Temos ainda as necessidades de educação e saúde, e uma poupança para a segurança na aposentadoria.

Mas o mundo moderno nos empurra para perseguir, competir e acumular valores além do necessário, e além do razoável.

Assim, acabamos trazendo para a nossa vida, os ingredientes que podem ser fatais para a felicidade, a ganância, a inveja, as comparações e o excessivo materialismo.

A felicidade, por outro lado, é um estado de espírito, e isso se consegue mesmo sem dinheiro.

Transformação interna:

Empreender uma transformação interna que seja fortemente direcionada à felicidade, pode ser deflagrada agora mesmo sem necessidade de qualquer tostão. Isso é um conforto, um alento e um incentivo para se engajar desde já no crescimento pessoal, agregando todos os ingredientes da felicidade.

Não apregoo se enfiar numa caverna, se desligando do mundo materialista e dos apegos hedônicos, mas defendo que é possível ser feliz com o que temos agora, com o que a vida nos oferece neste momento.

Quando sofremos uma derrota financeira e ficamos na penúria, aprendemos a dar valor às mínimas coisas e nos damos conta da abundância da vida.

Temos que exercitar essa capacidade sem ter que falir ou se desgraçar financeiramente.

A vida simples é abundante, repleta de recursos para a sua felicidade.

A falta de alguma coisa não deve servir de desculpa para não usufruir aquilo que não falta, aquilo que já temos.

Aprecie e saboreie a vida como ela é, e seja feliz com o que já tem.

R.S. Beco

1 Comentário

Fernanda Mello

about 4 anos ago

Reflexão maravilhosa!

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta