O desconforto das fofocas.

Perceba o desconforto das fofocas. Podemos nos extasiar em fofocar a vida alheia, especialmente nas coisas ruins. Pode ser alguém que perdeu o emprego, a festa de casamento que foi um desastre, ou mesmo o carro feio que fulano acabou de comprar.

Mas os especialistas propõem um exercício que replico aqui, pois achei muito interessante, cito Jane Dutton, professora da Universidade de Michigan-Ross School of Business.

Grave na sua mente a sensação que foi participar de fofocas, no tradicional intercâmbio corrosivo. Cada um conta um aspecto podre da pessoa ausente, ou também estimulando uma corrente de depreciação de algo que aconteceu com outrem, carregada de comparações e inveja.

Ambiente de crescimento:

Por outro lado, experimente e grave a sensação de participar de conexões de alta qualidade. Conversas produtivas conduzidas com generosidade e honestidade acerca das coisas que acontece com outras pessoas. Lembre-se de estar saboreando o sucesso de pessoas ausentes, elogiando, enaltecendo, reconhecendo o esforço e desejando sempre o bem e o progresso.

Perceba, numa análise honesta, a diferença marcante destas duas sensações.

O tecido das dinâmicas da vida é construído pelos momentos de conexões que fazemos com as pessoas. Podemos nos dedicar cuidadosamente a criar um tecido elegante e charmoso característico de pessoas que cuidam de si próprio, respeitam e amam os outros como a si próprio (life-giving). Ou ao contrário, podemos construir um tecido roto e esfarrapado característico do descuido com a própria vida (life-depleting).

Se, ao concluir esse exercício reflexivo e analítico das suas próprias emoções, você chegar à conclusão de que realmente é mais confortável falar de coisas boas e construtivas, a sua atitude doravante deve tomar assumir outra característica.

Fofocas – mude o canal:

Ao se flagrar ensaiando uma fofoca destrutiva, mude o canal imediatamente para outro assunto positivo sobre a mesma pessoa.

Caso isso seja muito difícil, mude para um comentário completamente neutro sobre outro tema, mude de assunto.

Se você, ainda assim, acreditar que é melhor falar mal dos outros, faça um paralelo com a sua alimentação.

Você prefere ingerir comidas ruins e estragadas, ou alimentos saudáveis e deliciosos.

Conexões saudáveis são como boias que nos fazem flutuar. Interações venenosas funcionam como bolas de ferro que se engancham nos nossos pés e nos levam para o fundo.

R.S. Beco

1 Comentário

lilas666

about 4 anos ago

Republicou isso em Cosmopolitan Girl.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta