No último lugar por tempo demais.

Cuidando dos outros.

Cuidando da vida dos outros.

Se colocando em último lugar na lista de prioridades.

Acabamos esquecendo quem somos.

Esquecemos os nossos sonhos, preferências, e mesmo angústias e dores.

Autoestima:

Nos tornamos um robô – é isso que nos tornamos, pois colocamos todos e tudo acima na nossa lista de prioridades.

É como se estivéssemos sistematicamente em último lugar em todas as maratonas da vida.

Como é que me coloquei nessa posição?

Como é que me deixei nessa posição todo esse tempo?

Se essas duas perguntas tocaram algum sino na sua cabeça, é sinal de que há coisas para fazer.

É preciso consertar algumas coisas.

Faça isto:

Primeiro – a pessoa mais importante nesse mundo, na sua ótica, é você mesmo.

Segundo – se você não se dá valor, quem é que vai dar?

Terceiro – se você não cuida de si, quem é que vai cuidar?

Você pode estar precisando mais do espírito do – eu primeiro.

Cuidar de si não é egoísmo, é amor próprio, é recuperar a autoestima.

Se imagine em último lugar na maratona. Se encha de entusiasmo, coragem, energia e amor próprio, e vá recuperando posições, simplesmente recitando – primeiro eu – primeiro eu.

Quando você conseguir se colocar em uma posição destacada nessa competição, em primeiro lugar, mantenha esse espírito, mesmo que perca algumas posições ao longo da jornada da vida.

Há momentos de crise onde somos levados a negligenciar um pouco de si próprio para cuidar do familiar doente, sepultar um amigo, ajudar um necessitado, mas o amor próprio não deve ser negligenciado – nunca.

Não damos o que não temos. Quem ama a si próprio, está apto a amar os outros.

Beco

1 Comentário

Jessica

about 6 anos ago

Verdade Rubens, precisamos estar bem com o nosso eu primeiro, para que possamos estar bem com os outros.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta