Não vai acontecer nunca mais.

Um evento raro e feliz, não vai acontecer nunca mais.

Um evento inesperado vai permanecer para sempre na sua memória e você vai recorrer a ele muitas vezes.

Por outro lado, um objeto caro, na moda, vai gastar, vai se quebrar, pode ser roubado, vai se tornar obsoleto e esquecido na caixa dos objetos imprestáveis.

Hoje completo 59 anos, e a proximidade real dos sessenta me leva a um mundo inteiro de reflexões.

Devo mudar meu comportamento perante o mundo que me cerca, com os familiares, os amigos?

Devo mudar os meus hábitos de nutrição, exercício físico?

Devo fazer mais o que gosto?

Há sem dúvida um dilema: devo fazer mais, devo fazer menos.

Às vezes sinto que fiz pouco e devo fazer mais coisas, afinal a vida vai se esgotando, e a capacidade acaba ficando limitada em alguns aspectos.

Por outro, quero fazer menos, pois quero abandonar atividades que não me dão autêntico prazer.

Me vem na memória uns dizeres de Sophia Loren sobre essa questão do envelhecer.

“Há uma fonte da juventude: ela está na sua mente, nos seus talentos, na criatividade que você traz para sua vida e para as vidas daqueles que você ama. Quando você aprende a beber nessa fonte, você verdadeiramente venceu o envelhecimento.”

Não sei se quero vencer o envelhecimento. Quero apenas envelhecer bem.

Quero reler a Prece do Comodoro que publiquei no ano passado, logo nos primeiros dias do blog.

Quero aprender o que ainda não aprendi.

Quero abandonar os defeitos que ainda me acompanham.

Quero apenas ser feliz e apreciar a vida tal qual ela é.

Beco

1 Comentário

Genário Viana Filho

about 6 anos ago

Parabéns pelo aniversário, Dr. Sakay. O Senhor chega próximo dos sessenta com a disposição e a aparência de um aspirante! Como diria um amigo nosso: " Um espetáculo!" Genário

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta