Não seja tão centralizador, delegue o quanto puder

Não seja tão centralizador, delegue o quanto puder

Não assuma esse papel de centralizador. Pare de centralizar tudo em você, procure delegar o que for possível.

Você já se sentiu como alguém que tem muita coisa nas suas costas.

Pense se não está na hora de descentralizar, de delegar e compartilhar as responsabilidades.

Isso vale para os assuntos familiares e principalmente para os do trabalho.

Compartilhe as decisões.

Prepotência:

Não dê uma de prepotente, assumindo tudo para si. Deixe essa mania de achar que tem que levar o mundo nas costas.

Não fique com tudo, deixe os outros participarem. Para alguém receber a bola é precise que alguém antes passe a bola.

No trabalho, você se sente sobrecarregado, e os seus colegas se sentem subutilizados e desvalorizados.

Na família, você se sente sacrificado e os seus familiares limitados e constrangidos.

É um jogo do perde – perde, e vale a pena mudar. Isso tem solução.

No caso dos pequenos em casa, dar-lhes responsabilidades faz parte do aprendizado fundamental para crescer.

Acredite que as pessoas podem fazer.

Tenha clareza e discuta com as pessoas o que tem que ser feito.

Passe para a pessoa certa cada tarefa e ajude no que for preciso.

Encoraje, ensine, motive e reconheça.

Relaxe o seu perfeccionismo de achar que só você pode fazer com qualidade.

Aceite as pessoas como são e aceite os resultados quando forem adequados. Não exija a perfeição.

Isso vai fazer bem para a sua saúde.

Viva melhor, assumindo a sua parte do trabalho.

Não tente ser tudo e fazer tudo.

Você se vê refazendo o trabalho dos outros porque não gostou do resultado?

Você desiste de delegar e acaba fazendo você mesmo?

Por quê?

As pessoas são desqualificadas? – qualifique.

As pessoas não sabem o que devem fazer? – comunique.

As pessoas podem não querer fazer? – motive, estimule, premie.

Não tem gente? – procure, contrate.

As pessoas são lentas, pouco inteligentes, sem iniciativa e sem compromisso?

Será que você não está exigindo demais?

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta