Não seja do tudo ou nada

Não seja do tudo ou nada

Não seja partidário do tudo ou nada, inflexível, intolerante e perfeccionista

O perfeccionismo é uma barreira à felicidade. Há dois jeitos, o meu jeito e o jeito errado, e assim tudo tem que ser do meu jeito. Quando adotamos o tudo ou nada – criamos uma condição impossível de satisfazer.

Aceite o resultado quando ele é razoável.

A atitude do tudo ou nada nos impede de aceitar as pessoas, pois ninguém é perfeito tal qual prescrevemos.

Tampouco as situações se desenrolam naquela perfeição que imaginamos. Aceite que existe o meio termo.

As pessoas não são exatamente boas ou más. As situações não são totalmente favoráveis ou desfavoráveis. Aprenda a pesar os prós e os contras e aceitar aquilo que é a melhor alternativa. Fique satisfeita com sua decisão, aceite o caminho escolhido.

Dieta:

Uma atitude bem típica do tudo ou nada é quando estamos fazendo uma dieta alimentar, quase sempre quando queremos perder peso.

Ao nos darmos conta que não vamos resistir àquele pedaço de pudim, chutamos o balde,vamos para o sorvete, pizza no lanche e outra montanha de calorias.

O melhor seria comer o irresistível e pequeno pedaço de pudim e só.

Você não tem que detonar a dieta e recomeçar tudo amanhã. Você pode muito bem cometer o pequeno deslize do pudim, fácil de corrigir com alguns quilômetros extra na caminhada, ou meia hora adicional na natação.

Perfeccionistas costumam estabelecer metas excessivamente desafiadoras para si mesmo, o que se transforma numa fonte de frustração.

E isso pode se transformar num ciclo vicioso – estabeleço metas impossíveis – fico insatisfeito comigo mesmo – sou tentado a ser mais perfeito e assim por diante.

Para tudo na vida, estabeleça metas razoáveis. Seja honesto consigo mesmo. Seja justo consigo mesmo.

A busca da excelência é um grande motivador, mas a perfeição como meta nos frustra e nos desmoraliza a si próprio. Diferente do arrogante que acha defeitos nos outros, o perfeccionismo tem uma facilidade para achar defeito em si próprio e nas coisas que o cercam.

É como se o arrogante tivesse o péssimo hábito de querer punir os outros, e o perfeccionista o faz consigo mesmo.

Nem tudo tem que ser preto ou branco.

A aceitação é um ingrediente fantástico para ajudar no jogo do tudo ou nada.

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta